Com demanda incerta, Ford e Toyota retomam produção no Brasil

Se a produção de automóveis tenta se restabelecer com a reabertura de fábricas, o comportamento da demanda ainda é uma incógnita em meio à crise da covid-19

A montadora americana Ford e a japonesa Toyota retomam nesta segunda-feira, 22, a produção em suas fábricas no Brasil, paralisadas por causa da pandemia do novo coronavírus. Mas, para o setor, a normalidade ainda está muito distante.

Hoje, as fábricas da Toyota em São Bernardo do Campo (que produz peças e motores), Indaiatuba (do Corolla) e Porto Feliz (também de motores), em São Paulo, retomam suas atividades. A de Sorocaba (que monta modelos como o Etios) reabre na próxima sexta-feira, 26 de junho. A operação começou a ser interrompida em 24 de março.

A Toyota tem cerca de 6.000 funcionários no Brasil. Para reabrir as fábricas, a montadora japonesa instalou câmeras que medem a temperatura corporal dos empregados, determinou o distanciamento entre os colaboradores e criou uma escala para a entrada nas unidades produtivas.

Na Ford, a retomada começa, hoje, pela fábrica de Camaçari, na Bahia (que produz o Ka, o EcoSport e motores). A unidade de Taubaté, no interior de São Paulo (de motores e componentes), volta em 1 de julho. Medidas rígidas para prevenir o contágio pela infecção respiratória covid-19 também estão sendo adotadas. Todos os funcionários que puderem, como os de áreas administrativas, continuarão trabalhando remotamente. Máscaras e óculos de segurança terão uso obrigatório, e as fábricas funcionarão em apenas um turno.

A americana GM, a alemã Volkswagen, a chinesa-brasileira Caoa Chery e a coreana Hyundai já voltaram às atividades nas últimas semanas. A japonesa Honda que tem fábricas em Sumaré e Itirapina, no interior paulista, anunciou o reinício da produção em 13 de julho.

Se a fabricação de automóveis tenta se restabelecer, o comportamento da demanda ainda é uma incógnita. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) estima que as vendas de carros, caminhonetes, caminhões e ônibus vai cair 40% no Brasil neste ano, para 1,68 milhão de veículos.

O transporte coletivo deve dar mais espaço ao individual no médio prazo, o que favorece as vendas de automóveis, porém o aumento do desemprego e a queda da renda tendem a limitar o ímpeto do consumidor. Para as montadoras e para o país, o caminho da retomada é longo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.