Com compra do HSBC, Bradesco ganha clientes mais ricos

Um dos principais atrativos do HSBC é a sua reconhecida clientela de alta renda - são 1 milhão de correntistas nesse segmento

São Paulo – Com a aquisição do HSBC por 5,2 bilhões de dólares, cerca de 17,7 bilhões de reais, o Bradesco amplia sua presença no território nacional e no segmento de correntistas de alta renda.

O banco adquiriu a totalidade da operação do HSBC no Brasil, o que inclui varejo, seguros e administração de ativos, bem como todas as agências e clientes.

Um dos principais atrativos do HSBC, além do ganho de escala, é a sua clientela de alta renda, afirmou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco. Cerca de 1 milhão de correntistas, de um total de 5 milhões, são classificados nesse segmento.

Além disso, o HSBC também oferece private banking, serviços bancários personalizados para indivíduos de alta renda, para cerca de 1,6 mil famílias.

Maior

Desde a criação do Bradesco, em 1943, o banco já realizou 48 aquisições, entre fundos de investimentos, seguradoras, cartões de crédito e outros bancos.

No entanto, “a relevância do HSBC no mercado brasileiro supera todas as outras aquisições”, afirmou o presidente do Bradesco, em coletiva com a imprensa.

Para o Bradesco, a aquisição garante um aumento de escala e presença no território nacional, além de complementar públicos e serviços. A compra também fortalece a posição do Bradesco nas regiões Sul e Sudeste.

Isso significa que, com a compra do HSBC, o Bradesco passa a ter 9.460 agências e postos de atendimento, cerca de 23,8% do total das agências no país, atrás apenas do Banco do Brasil.

Em número de correntistas, serão 31,5 milhões, também atrás do banco estatal. Mais importante, o Bradesco encosta no seu principal concorrente, Itaú, em ativos totais, que chegam a 1,19 trilhão de reais com a compra.

Sinergias

O presidente do Bradesco afirmou que o HSBC tem baixa sobreposição de agências e de clientes com o Bradesco, mas não comentou detalhes sobre cortes nessas áreas.

Segundo ele, os ganhos de sinergias serão principalmente em tecnologias, logística e no relacionamento com fornecedores.

O faturamento do banco, disse o presidente, deve crescer com novos produtos, integração de plataformas digitais e clientes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.