Cogna tem prejuízo de R$ 1,2 bi, maior evasão de alunos e menos matrículas

Divisão de ensino superior da holding, Kroton teve queda de 31,5% na receita e de 61% na captação de alunos de cursos presenciais e de 2% na captação total
 (Germano Lüders/Exame)
(Germano Lüders/Exame)
M
Mariana Desidério

Publicado em 13/11/2020 às 16:32.

Última atualização em 13/11/2020 às 16:46.

A companhia de educação Cogna divulgou resultados nesta sexta-feira. A empresa teve receita de 1,2 bilhão de reais no terceiro trimestre, queda de 17% em relação ao mesmo período de 2019, com impacto da pandemia do novo coronavírus. A empresa teve prejuízo de 1,2 bilhão de reais no período, devido ao reconhecimento de perda no valor recuperável de ativos.

Aproveitar as melhores oportunidades na bolsa exige conhecimento. Venha aprender com quem conhece na EXAME Research

Os resultados foram impactados principalmente pela divisão de educação superior, a Kroton. Impactada pela pandemia do novo coronávirus e por sua própria crise particular, a Kroton teve queda de 31,5% na receita no terceiro trimestre de 2020, em relação ao mesmo período do ano passado, e de 70% no ebtida recorrente no mesmo período. “É um ano desafiador, agravado pela covid-19”, afirmou o presidente da Cogna Rodrigo Galindo.

O resultado da Kroton foi impactado principalmente pela captação de alunos nos cursos com mais aulas presenciais. A captação do ensino presencial teve queda de 61% enquanto a do ensino digital cresceu 25%. No total foram 178 mil novos alunos captados no período, queda de 2% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, número considerado positivo pelos executivos, tendo em vista o cenário adverso.

A companhia teve também uma piora no ticket médio dos alunos pagantes, com queda de 15% em relação ao mesmo período do ano anterior, uma vez que houve maior procura pelos cursos 100% online, que são mais baratos. Isso ainda que o ticket médio dos alunos pagantes dos cursos presenciais tenha tido alta de 9%.

Para melhorar a situação financeira, a companhia tem sido mais rigorosa nos descontos: não realizou ofertas de fim de ciclo -- que trazem volume de calouros, mas baixa contribuição de receita, diz a empresa – e suspendeu a oferta de parcelamento temporário nas primeiras mensalidades. Também teve uma postura mais rígida na negociação com alunos inadimplentes, o que impactou a evasão no ensino presencial. A taxa de evasão no período foi 19,5%.

Com esse quadro, a Cogna prepara mudanças mais significativas nos cursos presenciais da Kroton, com reestruturação de unidades. “Essa reestruturação pode passar por unificação de campi, e pela opção de manter a oferta em uma cidade através de parcerias, e não unidade própria, o que leva a empresa para uma estrutura mais asset light”, afirmou Galindo. As negociações para essas mudanças estão em curso e serão anunciadas com mais detalhes em evento no dia 14 de dezembro.

A Kroton não foi a única afetada pela crise do setor. A Saber, divisão de ensino básico da Cogna, também teve queda de 16% na receita, afetada principalmente pela evasão de alunos nos anos iniciais, e por descontos oferecidos no período.

As boas notícias para a Cogna vieram principalmente da Vasta, divisão oferece conteúdo para escolas através de sistemas de ensino e de uma plataforma digital de estudos. A susidiária fez seu IPO na bolsa Nasdaq em julho, com captação de 405 milhões de dólares. No terceiro trimestre, a companhia teve alta de 2,6% na receita. E já tem 835 milhões de reais em contratos para o ano letivo de 2021, um crescimento de 21% em relação a 2020. Os planos de fusões e aquisições da companhia estão mantidos – metade dos recursos levantados com a abertura de capital deve ir para aquisições.