Braskem: Odebrecht nega que há acordo para venda de participação

Odebrecht, em processo de recuperação judicial, está reestruturando R$ 51 bilhões em dívida e estaria interessada em vender Braskem

São Paulo — A Braskem divulgou nesta quarta-feira que, após questionamentos, a Odebrecht informou que não há qualquer definição até este momento sobre eventual acordo com os bancos credores que trate da obrigação de venda da participação do grupo na petroquímica e distribuição de dividendos da empresa.

No começo da semana, a Reuters noticiou, citando fontes a par do assunto, que a Odebrecht está propondo a bancos credores manter o recebimento da maior parte dos dividendos pagos pela petroquímica e que os bancos esperem um período mais longo antes de tentar vender as ações do conglomerado na empresa.

Outra reportagem, do Valor Econômico, e também citando fontes, afirma que a grupo Odebrecht terá um prazo de três anos para vender a Braskem.

A Odebrecht, em processo de recuperação judicial, está reestruturando 51 bilhões de reais em dívida, uma das maiores reestruturações da história da América Latina.

De acordo com as reportagens, a companhia deve apresentar as respectivas propostas na assembleia geral de credores prevista para esta quarta-feira.O Valor, contudo, cita que a assembleia deve ser aberta, mas suspensa e que já estaria prevista a realização de uma segunda convocação no dia 10.

Na correspondência à Braskem, a Odebrecht manteve a previsão de realizar a assembleia nesta quarta-feira e acrescentou que as conversas com credores relacionadas à negociação de seu plano de recuperação judicial "são de caráter privado e confidencial e o plano a ser oportunamente apresentado pelas empresas deverá ser objeto de deliberação pelos credores em Assembleia Geral de Credores a ser devidamente instalada para tanto".

"Especificamente em relação às menções a eventual acordo com os bancos credores que trate da obrigação de venda da participação do Grupo Odebrecht na Braskem S.A. e distribuição de dividendos da Braskem, informamos que não há, até este momento, qualquer definição entre as partes neste sentido e nem se pode ainda assegurar se, quando e em que termos um acordo de fato se concretizará", disse a Odebrecht.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.