Boeing 737-Max apresenta novo defeito; Gol tem unidade afetada no Brasil

Fabricante confirma possibilidade de falha elétrica na aeronave, envolvida em dois acidentes fatais nos últimos anos

Boeing-737-MAX Avião Boeing da Gol: companhia é a única a operar o 737-MAX no Brasil

Avião Boeing da Gol: companhia é a única a operar o 737-MAX no Brasil (GOL/Divulgação)

O Boeing 737-Max está envolvido em outro problema: depois de ficar 20 meses parado por defeitos de desenho e software de controle que colocavam em risco a operação – e que chegou a ser proibida pelas agências de aviação em todo o mundo – a aeronave novamente foi colocada sob alerta pelo fabricante. Só que, desta vez, o problema se deve ao sistema de aterramento elétrico.

De acordo com a empresa norte-americana, o espaço destinado à função pode ser insuficiente, gerando risco de sobrecargas e pane do conjunto. Procurada, a Boeing disse ter informado 16 companhias aéreas que operam o modelo, mas não revelou quais. No Brasil, a Gol é a única a voar com o 737-Max. Procurada, a companhia aérea diz que apenas uma das oito unidades foi afetada.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Invest Pro

"Seguindo os princípios de segurança que regem a nossa companhia, decidimos realizar proativamente a suspensão dos voos desta aeronave, conforme recomendado pela fabricante. A GOL está em contato com a Boeing, aguardando instruções para a resolução do problema, e somente retornará a aeronave afetada para o serviço após a certeza de que todas as ações corretivas tenham sido aplicadas e validadas pela fabricante, sempre em coordenação com as autoridades", diz em comunicado.

Com 5.049 unidades encomendadas, o 737-Max é o maior sucesso da comercial da Boeing. Entretanto, a aeronave se envolveu em dois acidentes que causaram a morte de 346 pessoas em 2018 e 2019. Após uma correção no sistema “anti-stall” – responsável pela perda de controle em ambos os casos fatais –, o modelo passou a operar normalmente e já teve 453 unidades entregues.

“Estamos trabalhando em estreita colaboração com a FAA, Administração Federal de Aviação dos EUA, nesta questão de produção. Também estamos informando especificamente nossos clientes impactados e forneceremos orientações sobre quais as medidas corretivas adequadas”, diz o fabricante. Em nota, a FAA afirma que o modelo deverá permanecer temporariamente em solo nos EUA.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também