Negócios

Bancos russos recorrem a sistema chinês após saída de Visa e Mastercard

Visa e Mastercard cancelaram operações no país e novos cartões serão emitidos sob a bandeira UnionPay

Cartões: empreendedor atualmente deve esperar até 30 dias para receber pagamento feito com cartão de crédito (Joe Raedle/Getty Images)

Cartões: empreendedor atualmente deve esperar até 30 dias para receber pagamento feito com cartão de crédito (Joe Raedle/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 6 de março de 2022 às 15h03.

Última atualização em 11 de março de 2022 às 11h15.

Cartões de crédito emitidos por bancos russos que usam os sistemas de pagamento Visa e Mastercard deixarão de funcionar no exterior a partir de 9 de março, disse o banco central da Rússia neste domingo, acrescentando que algumas instituições financeiras locais procurariam usar o sistema UnionPay da China.

De acordo com o banco central, a proibição no exterior também se aplica a cartões emitidos por subsidiárias locais de bancos estrangeiros.

O anúncio veio depois que as empresas de pagamentos dos EUA Visa e Mastercard informaram a suspensão das operações na Rússia, juntando-se à lista de empresas que estão cortando laços comerciais com a Rússia.

O banco central acrescentou que muitos bancos russos planejam emitir cartões usando o UnionPay, um sistema que disse estar habilitado em 180 países.

Embora vários bancos russos já usem o UnionPay, outros, incluindo o Sberbank e o Tinkoff, podem começar a emitir cartões com o sistema de pagamentos doméstico da Rússia com o UnionPay, acrescentou.

Os cartões Mastercard e Visa emitidos na Rússia seriam aceitos dentro do país até o vencimento, disse o banco.

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:BancosCartões de créditocartoes-de-debitoEXAME-no-InstagramGuerrasMasterCardRússiaUcrâniaVisa

Mais de Negócios

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Ele quer chegar a 100 lojas e faturar R$ 350 milhões com produtos da Disney no Brasil

Mais na Exame