Balanço da Cosan deve mostrar um Brasil sem energia

Os números da Cosan vão ajudar o mercado a ajustar também as expectativas para outras companhias do setor

A Cosan – acionista de empresas como a rede de postos de combustíveis e fabricante de açúcar e etanol e Raízen e da distribuidora de gás Comgás – divulga após o fechamento do mercado nesta segunda-feira, 10, o seu balanço relativo ao segundo trimestre do ano, o que deve mostrar o maior estrago feito pela pandemia do novo coronavírus.

A paralisação de atividades comerciais e o distanciamento social imposto pelas autoridades para tentar desacelerar o contágio da covid-19 fizeram com que boa parte da frota de veículos do país fosse deixada em casa e indústrias e restaurantes que usam o gás como fonte de energia baixassem as portas.

Como resultado, o Ebitda (ganhos antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Cosan deve ter desabado 26% no período de abril a junho deste ano ante igual intervalo de 2019, para 871 milhões de reais, segundo cálculos do banco de investimento Credit Suisse. A divisão de distribuição de combustíveis deve ter sido a principal afetada, com uma queda de 44% no Ebitda, para cerca de 315 milhões.

Depois do pânico que a pandemia gerou no mercado entre fevereiro e maio, os investidores já adotam um postura resignada diante dos resultados trimestrais ruins que sabem que virão. Preferem olhar para um pouco mais à frente.

“A nossa expectativa para os próximos meses indica uma recuperação de demanda, já sinalizada em junho, e que a empresa volte para um patamar normalizado em praticamente todas as linhas de negócio”, escreveram os analistas do Credit Suisse em relatório a clientes.

Os números da Cosan vão ajudar o mercado a ajustar também as expectativas para outras companhias do setor, como a BR Distribuidora, que publica seu balanço amanhã, e a Ultrapar, no dia 12.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.