Mundo
Acompanhe:

UE acusa a Gazprom de abuso de posição dominante

Segundo a Comissão Europeia, a Gazprom, que tem uma posição dominante, teria compartimentado o mercado do gás no leste e centro europeu

Usina da Gazprom em Sochi, na Rússia: empresa reagiu e considerou "infundadas" as acusações da Comissão Europeia (Yuri Kadobnov/AFP)

Usina da Gazprom em Sochi, na Rússia: empresa reagiu e considerou "infundadas" as acusações da Comissão Europeia (Yuri Kadobnov/AFP)

D
Da Redação

22 de abril de 2015, 09h57

Bruxelas - A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira que notificou a gigante russa do gás Gazprom sobre as acusações por suposto abuso de posição dominante no mercado de fornecimento e distribuição de gás na Europa central e no leste do continente.

Segundo a Comissão, a Gazprom, que tem uma posição dominante, teria compartimentado o mercado do gás nesta região, "reduzindo a capacidade de revenda transfronteiriça de seus clientes", o que permitiria à empresa "faturar preços não equitativos em alguns Estados membros" da União Europeia (UE).

A Comissão também suspeita que a posição dominante da Gazprom teria permitido à empresa "subordinar o fornecimento de gás à obtenção de compromissos distintos de parte dos varejistas" nas infraestruturas que transportam o gás.

"O gás é um bem essencial para nossa vida cotidiana", disse a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, a mesma que coordenou o caso contra a gigante americana Google, também acusada de concorrência desleal.

A Gazprom reagiu e considerou "infundadas" as acusações da Comissão Europeia.

"A Gazprom considera que as objeções apresentadas pela Comissão Europeia são infundadas", afirma o grupo em um comunicado.

A empresa alega que se ajusta "estritamente" às normas vigentes e atua "em conformidade total com os parâmetros observados" para o setor.