Trump critica decisão do FBI de não acusar Hillary

O provável candidato do Partido Republicano criticou a decisão do FBI de não apresentar acusações contra sua adversária na corrida à Casa Branca

Washington - O provável candidato do Partido Republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou nesta terça-feira a decisão do FBI de não apresentar acusações contra sua adversária na corrida à Casa Branca, Hillary Clinton, pelo uso que fez de vários servidores de e-mail particulares para lidar com assuntos oficiais como secretária de Estado (2009-2013).

Em entrevista coletiva, o diretor do FBI, James Comey, afirmou hoje que Hillary não deve ser acusada por uso indevido do e-mail, embora haja evidências de que ela e seus ajudantes foram "muito negligentes" no controle de informações sigilosas.

A recomendação do FBI é provisória, e a decisão definitiva depende do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

"Muito muito injusto! Como de costume, mal julgamento", afirmou Trump no Twitter, além de argumentar que o general reformado David Petraeus, ex-diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), "se meteu em problemas por muito menos".

Petraeus teve que renunciar em novembro de 2012 por se exceder com as informações que revelou a sua amante, Paula Broadwell, que pode ter tido acesso a assuntos de segurança nacional.

O general de quatro estrelas e um dos principais estrategistas da Guerra do Iraque foi condenado em abril de 2015 por uma Corte da Carolina do Norte a dois anos de liberdade vigiada e ao pagamento de uma multa de US$ 100 mil pelo vazamento de informações secretas.

A polêmica pelos e-mails de Hillary começou em 2015, quando a imprensa americana revelou que, durante seus quatro anos no Departamento de Estado, ela usou o tempo todo uma conta pessoal para suas comunicações, com um servidor privado.

Hillary reconheceu então que teria sido "mais inteligente" usar uma conta oficial e entregou em outubro do ano passado 55 mil páginas de e-mails daquele período ao Departamento de Estado, que divulgou comunicações da ex-primeira-dama de maneira mensal até 29 de fevereiro.

No sábado, em Washington, Hillary prestou depoimento "de maneira voluntária" ao FBI durante três horas e meia, segundo seu porta-voz, Nick Merrill. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.