Só um parque, de sete, é entregue no Rodoanel Sul

Locais deveriam servir de compensações ambientais pelas obras, mas estão atrasados
O trecho Sul do Rodoanel: apesar de placas, apenas um parque foi entregue (Mário Rodrigues/VEJA SP)
O trecho Sul do Rodoanel: apesar de placas, apenas um parque foi entregue (Mário Rodrigues/VEJA SP)
D
Da RedaçãoPublicado em 24/05/2011 às 14:30.

São Paulo - Uma longa placa suspensa acima das pistas do Trecho Sul do Rodoanel anuncia o início de quatro parques: Bororé, Varginha, Itaim e Jaceguava. No entanto, nenhum existe. Eles fazem parte do pacote de sete parques previstos como compensação ambiental pela maior obra viária do País. Mas, após mais de um ano de funcionamento da rodovia, apenas um foi entregue.

Municípios cortados pelo Trecho Sul foram informados de que os parques seriam entregues pela Desenvolvimento Rodoviário S.A (Dersa) até o fim do ano passado. A empresa ligada ao governo estadual seria responsável por desapropriar as áreas, cercá-las e construir prédios e equipamentos necessários para depois entregá-los às prefeituras.

Até agora, apenas o parque de Embu foi repassado, em novembro de 2009. Todos os outros ganharam novo prazo de entrega: o segundo semestre deste ano. Mas até a única unidade considerada pronta pela Dersa está distante de se tornar parque. "O que se está chamando de parque na verdade é um terreno desapropriado e cercado, que era o combinado desde o início com a Dersa. O parque somos nós agora que vamos fazer", diz o prefeito de Embu, Chico Brito (PT).

O investimento da empresa ligada ao governo estadual nesse parque foi de R$ 27,5 milhões (R$ 27 milhões para desapropriação e o restante para cercar o terreno). A prefeitura elaborou um projeto de R$ 32 milhões. Um quarto desses recursos já foi obtido com o governo federal, o que possibilitou o início das obras.

Desapropriação

O maior problema para tirar os outros parques do papel envolve dificuldades para desapropriar terrenos. Alguns proprietários brigam na Justiça por valores maiores ou para não deixarem suas casas. O problema se repete em outras obras públicas, mas decisões liminares permitem que o empreendimento avance enquanto o processo judicial não termina.

No caso dos parques do Rodoanel, no entanto, os municípios não aceitam terrenos com pendências. O resultado é que muitos já estão cercados e com portarias, mas na prática são terrenos abandonados e sem utilidade. O que era para ser um parque aberto à população ou unidade de conservação se torna local de mato alto e alvo de vândalos. "O novo prazo que nos deram é dezembro. Enquanto isso, a região sofre ações de vândalos, parte da cerca foi roubada", conta o consultor da prefeitura de São Bernardo Ronaldo Tonobohn.

Tantos entraves fizeram com que a própria Dersa repensasse seu modelo de transferência de parques. A empresa afirma que, em empreendimentos futuros, como o Rodoanel Norte, vai destinar recursos para que a desapropriação seja feita pelas prefeituras. A Dersa informou que ainda não foi possível estimar os prejuízos financeiros com as ações dos vândalos. "Os custos estão sendo apurados por meio de levantamentos ‘in loco’." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.