Mundo

Shell deixará a Rússia após invasão da Ucrânia

Empresa disse que deixará seu principal negócio, no qual detém uma participação de 27,5%

Empresa disse que deixará seu principal negócio, no qual detém uma participação de 27,5% (Toby Melville/Reuters)

Empresa disse que deixará seu principal negócio, no qual detém uma participação de 27,5% (Toby Melville/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 28 de fevereiro de 2022 às 16h36.

Última atualização em 2 de março de 2022 às 10h45.

Por Ron Bousso (Reuters)

A Shell anunciou nesta segunda-feira que sairá de todas as suas operações russas, incluindo uma grande usina de gás natural liquefeito, tornando-se a mais recente grande empresa de energia ocidental a deixar o país rico em petróleo após a invasão da Ucrânia por Moscou.

A decisão ocorre um dia depois que a rival BP abandonou sua participação na gigante petrolífera russa Rosneft, em um movimento que pode custar à empresa britânica mais de 25 bilhões de dólares. A Equinor, da Noruega, também planeja sair da Rússia.

A Shell disse em um comunicado que deixará seu principal negócio de GNL Sakhalin 2, no qual detém uma participação de 27,5%, e que é 50% de propriedade e operada pela gigante russa de gás Gazprom.

Sakhalin 2, localizado na costa nordeste da Rússia, é enorme, produzindo cerca de 11,5 milhões de toneladas de GNL por ano, que é exportado para importantes mercados, incluindo China e Japão.

Acompanhe tudo sobre:EXAME-no-InstagramRússiaShell

Mais de Mundo

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Grupo armado sequestra 13 pessoas perto da fronteira da Colômbia com a Venezuela

Mais na Exame