Mundo

Santos escolherá melhor forma para referendar acordo com as Farc

"Vamos conseguir um novo acordo com mais amplo consenso, mais forte, com mais legitimidade", explicou Santos

Santos: "Há outros mecanismos de referendo popular que poderíamos usar. O que eu quero é a união do país" (John Vizcaino / Reuters)

Santos: "Há outros mecanismos de referendo popular que poderíamos usar. O que eu quero é a união do país" (John Vizcaino / Reuters)

E

EFE

Publicado em 28 de outubro de 2016 às 21h54.

Cartagena - O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, afirmou nesta sexta-feira que, quando houver um eventual novo acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), escolherá o caminho "menos polarizado" para referendá-lo e lembrou que a oposição não quer a realização de um novo referendo.

"Vamos conseguir um novo acordo com mais amplo consenso, mais forte, com mais legitimidade", explicou Santos em um colóquio com vários presidentes latino-americanos dentro do IX Encontro Empresarial realizado em Cartagena de Indias como antessala da XXV Cúpula Ibero-americana.

Santos fez as declarações em meio a renegociação do pacto de paz firmado entre seu governo e as Farc após quatro anos de diálogo em Havana, e que foi rejeitado pelo povo colombiano no referendo realizado no último dia 2 de outubro.

Apesar de ter afirmado preferir um caminho menos polarizado, Santos disse que mantém sua prerrogativa de conduzir a negociação de paz, apresentar um futuro acordo às instâncias correspondentes e a de também convocar outro referendo "se achar conveniente".

"Há outros mecanismos de referendo popular que poderíamos usar. O que eu quero é a união do país. A polarização apenas promove a estagnação das sociedades. Na medida em que possamos diminuir essa polarização, tudo ocorre melhor", destacou.

O diálogo político aberto após o fracassado referendo sobre a paz está sendo, segundo o presidente, fluído, positivo e proveitoso. "Se houver um novo acordo, veremos o caminho que menos polariza e o que permite fechar um pacto mais legítimo e profundo", completou.

Santos também destacou a necessidade de resolver a situação o mais breve possível porque o "tempo conspira contra o processo".

Além disso, afirmou que o cessar-fogo bilateral em vigor entre as partes é "muito frágil" e não representa "paz definitiva".

O presidente defendeu a aposta inicial no referendo porque disse ter pensado que era a "opção correta" para que o acordo tivesse legitimidade popular, apesar da oposição da guerrilha, de outros partidos políticos e de membros do próprio governo, que consideravam a convocação como uma má ideia.

Após a rejeição do acordo de paz, Santos decidiu receber o resultado com otimismo, pensando que podia canalizá-lo para "sairmos melhor do que estávamos antes".

Por isso, nas últimas semanas, representantes do governo se reuniram com as Farc e também realizaram mais de 40 encontros com os principais defensores do "não" ao acordo inicial, para ouvir as propostas e conseguir um novo pacto o mais rápido possível.

"Acredito que conseguiremos. Isso nos deu a oportunidade de esclarecer muitas das percepções equivocadas que existiam no processo", disse o presidente.

Acompanhe tudo sobre:ColômbiaFarcReferendo

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame