Revolução egípcia completa 3 anos

Em novo relatório, a Anistia Internacional lamenta que o governo egípcio tenha limitado a liberdade de expressão

Cairo - A Anistia Internacional (AI) denunciou nesta quinta-feira que as autoridades egípcias estão reprimindo dissidentes e pisoteando os direitos humanos de um modo "sem precedentes", e que o cumprimento das reivindicações da revolução de 2011 está cada vez mais distante.

Em um novo relatório, divulgado em razão do 3º aniversário do início da revolta em 25 de janeiro, a AI lamenta que o governo egípcio tenha limitado a liberdade de expressão e reunião, introduzido "uma legislação repressiva" e dado carta branca para a polícia "agir acima da lei".

A diretora adjunta para o Oriente Médio e Norte da África da AI, Hasiba Hadj Sahraui, alertou que com essas medidas, o Egito se dirige com "passo firme rumo a um aumento da repressão e dos confrontos".

De acordo com Sahraui, as autoridades devem tomar medidas concretas para demonstrar que respeitam os direitos humanos e o Estado de direito, começando pela libertação dos presos políticos.

Se isto não acontecer, o "Egito provavelmente ficará com suas prisões abarrotadas de presos reclusos ilegalmente e com seus necrotérios e hospitais lotados com ainda mais vítimas da força arbitrária e abusiva da polícia", disse Sahraui.

Segundo a AI, as reivindicações da revolução de 2011 de dignidade e direitos humanos parecem "mais distantes que nunca" devido à repressão, à impunidade generalizada e à prisão dos principais ativistas do país.

"As autoridades devem reduzir a pressão sobre a sociedade civil e permitir os protestos pacíficos e outros meios de dissidência legítima. As políticas atuais representam uma traição a todas as aspirações da Revolução de 25 de Janeiro", ressaltou Sahraui.

O relatório, intitulado "Roteiro da repressão: não se vislumbra o fim das violações de direitos humanos", expõe a deterioração da situação dos direitos e liberdades no Egito desde a deposição do presidente Mohammed Mursi em julho de 2013.


"O Egito foi testemunha de uma série de terríveis golpes aos direitos humanos e de uma violência estatal sem precedentes nos últimos sete meses", afirmou a diretora.

O relatório acrescenta que as forças de segurança cometeram "graves violações de direitos humanos e utilizaram sistematicamente uma força excessiva, inclusive letal" contra os manifestantes.

Os número da AI apontam que desde 3 de julho de 2013, quando Mursi foi deposto, 1.400 pessoas morreram, principalmente em agosto, na evacuação dos acampamentos dos islamitas no Cairo, e milhares de membros e simpatizantes da Irmandade Muçulmana foram detidos.

Sahraui critica a utilização da luta contra o terrorismo para "justificar uma repressão generalizada que não distingue a dissidência legítima e os ataques violentos".

A organização considera que "a repressão mais nítida foi a da liberdade de expressão e reunião" e lembra a polêmica lei de protestos aprovada no final do ano passado.

"Existe um esforço para eliminar todos os observadores independentes, sejam ativistas, jornalistas ou ONGs. Trata-se de uma tentativa deliberada de dificultar o trabalho sobre os abusos cometidos pelo Estado", lamentou Sahraui.

O Egito lembra no próximo sábado, 25 de janeiro, o 3º aniversário da revolução que derrubou Hosni Mubarak, entre temores à explosão da violência pelos novos protestos convocados pelos islamitas. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.