Quem é o programador por trás das decapitações do EI

Jihadi John é Mohammed Emwazi, um jovem de classe média que foi criado em um bairro nobre de Londres. Informação foi revelada pelo jornal The Washington Post

São Paulo – O capuz preto esconde o rosto do homem de sotaque britânico e discurso tão afiado quanto a faca que degolou reféns como James Foley e Kenji Goto. Apelidado de Jihadi John, ele foi identificado pelo jornal The Washington Post (WP), que conversou com ex-reféns do grupo, além de amigos e familiares.

Seu nome é Mohammed Emwazi, um jovem de família abastada de Londres e com diploma em programação. “Não tenho dúvidas de que Mohammed é Jihadi John”, contou uma fonte que se identificou como amigo ao WP. “Ele era como um irmão para mim e, por isso, eu tenho certeza de que é ele”.

A Scottland Yard, polícia londrina, se recusou a se manifestar sobre a informação divulgada. Contudo, uma fonte ouvida pelo jornal The New York Times e que é ligada ao governo do país, confirmou a veracidade da história do WP e contou que Jihadi John foi identificado há algum tempo.

Quem é Jihadi John

Nascido no Kuwait, sua família se mudou para o Reino Unido quando ele tinha apenas seis anos de idade, informou o The Guardian. Emwazi hoje tem 27 anos e foi descrito por amigos ao WP como um jovem preocupado com a própria aparência, mas que tinha reservas em manter contato visual com as mulheres.

Jihadi John Frequentava uma mesquita em Greenwich e, segundo relatos, começou a se radicalizar depois de ter se formado na Universidade de Westminster, idos de 2011, ao planejar uma ida para a Tanzânia para realizar um safári. A viagem, contudo, jamais foi realizada.

Ao desembarcar no país africano com amigos, ele foi preso e deportado para a Holanda. Na época, o jornal britânico The Independent chegou a noticiar a prisão dos três e identificou Emwazi como Muhammad ibn Muazam. O trio foi interrogado por oficiais do serviço britânico de inteligência britânico, MI5, por suspeitas de laços com grupos extremistas islâmicos.

Segundo relatos ouvidos pelo WP, Emwazi se mudou para a Arábia Saudita em 2012 com a intenção de dar aulas de inglês e trabalhar como programador, mas não conseguiu. Foi a última vez que amigos e familiares tiveram notícias de Jihadi John. Acredita-se que ele tenha se mudado para a Síria nesta época.

Em território sírio, Emwazi teria se juntado ao EI e logo se associou a outros dois britânicos, formando o grupo que ficou conhecido como “The Beatles”. De acordo com o The Guardian, era ele o responsável pela guarda dos reféns ocidentais e também pelas negociações com familiares e autoridades. 

Repercussão

No Twitter, a revelação da identidade do carrasco do Estado Islâmico fez com que o nome de Emwazi e seu infame apelido subissem rapidamente na lista de “Assuntos do Momento” no mundo. Veja abaixo algumas reações de alunos e ex-alunos da Universidade de Westminster e também de veículos internacionais. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.