Mundo

Quem é Luis Arce, presidente da Bolívia que acusa golpe de Estado?

Nesta quarta-feira, o governo boliviano denunciou uma mobilização irregular do Exército em La Paz

Luis Arce, presidente da Bolívia (AIZAR RALDES/AFP)

Luis Arce, presidente da Bolívia (AIZAR RALDES/AFP)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 26 de junho de 2024 às 17h48.

Última atualização em 26 de junho de 2024 às 19h04.

Tudo sobreBolívia
Saiba mais

Nesta quarta-feira, 26, o presidente da Bolívia, Luis Arce, denunciou a "mobilização irregular" de algumas unidades do Exército do país para um golpe de Estado, após tropas e tanques estacionarem em frente à sede do governo em La Paz, na Praça Murillo.

LEIA MAIS: Militares tentam dar golpe de Estado na Bolívia, diz governo do país

Em uma publicação em redes sociais, o chefe de Estado também enfatizou que a democracia deve ser respeitada.

Quem é Luis Arce?

Luis Arce, de 60 anos, é o presidente da Bolívia desde janeiro de 2020. Antes de comandar o país, ele atuou como ministro da Economia, em 2009, por nomeação do então presidente Evo Morales.

O político é considerado o pai do chamado "milagre econômico" boliviano, baseado em um modelo de desenvolvimento social comunitário produtivo.

Durante a sua gestão no ministério, Arce supervisionou a nacionalização de empresas de hidrocarbonetos, telecomunicações e mineração na Bolívia. Ele também exerceu protagonismo em um momento de rápida expansão da economia boliviana, com o PIB aumentando em 344% e a pobreza extrema reduzida de 38% para 15%.

Na época, o país passava por um processo de nacionalização dos hidrocarbonetos, que coincidiu com um boom sem precedentes dos preços do petróleo.

Em janeiro de 2020, Arce foi eleito candidato à Presidência da Bolívia para as eleições nacionais de outubro de 2020 pelo partido Movimento ao Socialismo (MAS-IPSP), junto com o ex-chanceler David Choquehuanca como candidato à vice-presidência. Após a disputa, Arce foi eleito presidente com maioria absoluta de 55,1%.

Rivalidade com Evo Morales

A disputa interna entre apoiadores de Evo Morales e de Luis Arce começou quando Evo voltou à Bolívia em 2020, após passar um ano exilado na Argentina por causa do golpe de Estado que levou à derrubada de seu governo, em 2019. O ex-presidente começou a criticar algumas decisões de Arce e seu apoiadores.

Morales foi presidente da Bolívia por quase 14 anos, entre 2006 e 2019. Ele renunciou em novembro daquele ano, depois de acusações de fraude nas eleições que lhe dariam o quarto mandato consecutivo. Ele perdeu o apoio das Forças Armadas do país e viu protestos tomarem conta das ruas da Bolívia, e deixou o país após pressão pública dos militares.

Evo viajou para o México e, semanas depois, refugiou-se na Argentina. Com a eleição do seu então herdeiro político em 2020, o ex-presidente voltou ao seu país natal. De acordo com dados do último censo da Bolívia, 40,6% da população se declara indígena. Morales foi o primeiro presidente dessa parcela da população a ser eleito presidente. 

Acompanhe tudo sobre:Bolívia

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame