Mundo

Quem é Jordan Bardella, o líder da extrema-direita que desafia Macron?

Jean Bardella, de 28 anos, promete eliminar incentivos fiscais e pede apoio por maioria no Parlamento

Bardella durante comício com fazendeiros no centro do país (Guillaume Souvant/AFP)

Bardella durante comício com fazendeiros no centro do país (Guillaume Souvant/AFP)

Publicado em 18 de junho de 2024 às 09h21.

Jordan Bardella, o líder do União Nacional, partido de extrema-direita na França, apelou aos eleitores na terça-feira, 18, para que concedam à legenda uma maioria absoluta nas próximas eleições parlamentares para que seja capaz de governar com eficácia.

O partido eurocético e anti-imigração de Bardella tem sua primeira oportunidade real de conquistar o poder nas eleições de 30 de Junho e 7 de julho. As pesquisas de opinião têm colocado a sigla em primeiro lugar desde a controversa decisão do presidente Emmanuel Macron de dissolver o Parlamento.

Analistas ouvidos pela Reuters não acreditam que o União Nacional conseguirá maioria absoluta para aprovar leis sem precisar negociar com a oposição.

“Não vou vender aos franceses reformas que não posso levar a cabo. Estou dizendo que, para agir, preciso de uma maioria absoluta”, disse Bardella à CNews TV. Ele transmitiu a mesma mensagem ao jornal Le Parisien, pedindo aos eleitores que se unissem a ele e a Marine Le Pen, ex-líder do União Nacional, nas próximas eleições presidenciais da França, previstas para 2027.

“Para governar, preciso de maioria absoluta”, disse ele, insinuando que o partido pode recusar qualquer oferta para formar um governo se não atingir o limite de 289 assentos com aliados próximos.

"Quem pode acreditar que seríamos capazes de mudar a vida cotidiana dos franceses através da uma maioria relativa? Ninguém. Digo aos franceses: para nos julgar, precisamos de uma maioria absoluta", repetiu.

Bardella, de 28 anos, diluiu algumas das promessas do seu partido em meio às preocupações dos investidores sobre o seu impacto nas finanças públicas, dizendo que um governo do União Nacional não reduziria imediatamente o IVA (imposto de valor agregado) numa lista de 100 bens essenciais.

Mas nos seus comentários ao Le Parisien citados pela Reuters, ele também confirmou planos para reduzir o IVA sobre gasolina, eletricidade e gás de 20% para 5,5%, dizendo que queria que essa fosse a sua primeira medida como primeiro-ministro.

“Se eu governar o país sem maioria absoluta, não poderei reduzir o IVA sobre o combustível e o gás... não poderei reduzir drasticamente a imigração”, disse ele ao Le Parisien.

O União Nacional ainda não detalhou as suas políticas econômicas, mas Bardella disse que alguns dos seus planos seriam financiados pela eliminação dos incentivos fiscais.
“Há uma redução fiscal para as empresas de transporte marítimo que custa ao Estado 5 bilhões de euros e quero acabar com esta redução fiscal”, disse ele.

A gigante marítima francesa CMA CGM tornou-se a empresa mais lucrativa de França em 2022, ultrapassando empresas como a TotalEnergies e a gigante do luxo LVMH, à medida que um boom pós-COVID na navegação aumentou o seu lucro líquido anual para quase 25 bilhões de dólares.

Acompanhe tudo sobre:FrançaUnião Europeia

Mais de Mundo

Dois dias após atentado, Trump faz primeira aparição pública na Convenção Republicana

Biden ordena fornecimento de aparato de segurança para Kennedy Jr. e reforço para o de Trump

Site de Trump usa imagem de seu rosto ensanguentado para arrecadar fundos após atentado

Bolívia anuncia descoberta de megacampo de gás natural

Mais na Exame