Presidente do Mali é reeleito com 67,17% dos votos

A oposição afirmou que vai apelar para o tribunal constitucional para que os resultados fraudulentos sejam anulados em algumas zonas eleitorais

O presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, foi reeleito para um novo mandato de cinco anos com 67,17% dos votos no segundo turno, disputado em 12 de agosto.

A participação no segundo turno foi de 34,54%, informou nesta quinta-feira o ministro da Administração Territorial, Mohamed Ag Erlaf, ao canal de televisão público ORTM.

O opositor Soumaila Cissé recebeu 32,83% dos votos.

Em 2013, os mesmos candidatos se enfrentaram no segundo turno e Keita foi eleito com 77,6% dos votos.

O chefe de campanha do candidato de oposição, Soumaila Cissé, reagiu de imediato ao anúncio da vitória de Boubacar Keita.

"Não reflete a verdade das pesquisas e será contestada por todos os meios democráticos, inclusive no tribunal", disse quinta-feira um fechamento do candidato do oposição Soumaïla Cissé.

"Estes são seus resultados, eles não refletem a verdade das pesquisas", declarou Tiébilé Dramé.

Segundo ele, a oposição vai apelar para o tribunal constitucional para que os resultados fraudulentos sejam anulados em algumas zonas eleitorais.

"Sabe, quando você abate uma galinha, ela luta antes de desistir. Nós não os culpamos por isso, é a democracia", ironizou Drissa Kanambaye, da equipe de campanha do candidato vencedor.

No primeiro turno, Keita, de 73 anos, obteve 41,70% dos votos, contra os 17,78% de Cissé, um ex-ministro das Finanças de 68 anos que não conseguiu unir a oposição entre os dois turnos.

A União Europeia enviou observadores para acompanhar a votação em que mais de oito milhões de eleitores foram convocados para comparecer a um dos 23.000 colégios eleitorais

Os observadores da UE pediram às autoridades que não limitassem a liberdade de expressão, assim como dessem garantias ao acesso sem obstáculos à internet e às redes sociais.

Curiosamente, poucas horas antes do anúncio dos resultados, não era possível acessar a internet nos telefones celulares das principais operadoras do país.

Keita iniciará o novo mandato no dia 4 de setembro com um objetivo prioritário: aplicar o acordo de paz datado de 2015 com a antiga rebelião da maioria tuaregue, em uma país que permanece sob a ameaça dos extremistas, apesar de cinco anos de intervenções militares internacionais.

O acordo ainda não entrou em vigor.

O pacto foi firmado após a intervenção do Exército francês que, em 2013, retomou o controle do norte do país, onde os extremistas instauraram a sharia por um ano.

A votação, no entanto, não despertou muito interesse de uma população cansada pela frequência dos ataques jihadistas, geralmente envolvendo violências intercomunitárias.

Além disso, quase metade da população vive abaixo da linha da pobreza, embora o Mali seja o maior produtor africano de algodão e sua economia registrar um crescimento de 5% há vários anos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.