ONU pede que poderes sejam restabelecidos na Venezuela

A entidade ainda pediu para que os países da OEA "levem em consideração as preocupações de direitos humanos" durante suas deliberações

Genebra – A Organização das Nações Unidas (ONU) apelou para que a separação de poderes seja restabelecida na Venezuela e afirma estar “profundamente preocupada” com a situação no país.

A entidade, num comunicado, ainda pediu para que os países da OEA “levem em consideração as preocupações de direitos humanos” durante suas deliberações, em reuniões nas próximas semanas.

O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela assumiu as funções da Assembleia Nacional do país, controlada pela oposição e considerada em desacato pela Justiça.

Pelo país, protestos foram realizados, enquanto a Organização dos Estados Americanos denunciou o ato como um “auto-golpe”.

O tribunal ainda ordenou ao presidente Nicolás Maduro que tome medidas econômicas, militares, penais, administrativas, políticas, jurídicas e sociais que considere necessárias para evitar o que denominou de “um estado de comoção”.

Em uma declaração em Genebra, o alto comissário da ONU para Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, deixou claro as críticas da entidade em relação à concentração de poder na Venezuela.

“Apelo firmemente ao Tribunal Supremo para que reconsidere sua decisão”, disse. “A separação de poderes é fundamental para que a democracia funcione, assim como manter os espaços democráticos abertos é essencial para assegurar que os direitos humanos estejam protegidos”, disse Zeid.

“Os cidadãos venezuelanos têm o direito de participar dos assuntos públicos através de representantes livremente eleitos, tal como estabelece o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos ratificado pela Venezuela”, declarou.

“Os deputados devidamente eleitos também deveriam poder exercer as faculdades que a Constituição lhes deu”, insistiu.

De acordo com a ONU, Zeid ainda está preocupado com a “falta de independência das instituições responsáveis pelo estado de direito na Venezuela” e também pediu para que o governo garanta ao povo o direito à liberdade de reunião pacífica e liberdade de expressão.

“As contínuas restrições às liberdades de movimento, associação, expressão e protesto pacífico não apenas são profundamente preocupantes, mas também minam um país extremamente polarizado que sofre uma crise econômica e social”, disse Zeid.

O representante da ONU insiste que o respeito pelos direitos humanos deve servir de “base” para abordar a escassez de alimentos e remédios, assim como a inflação que resulta em sofrimento diário para muitos venezuelanos”, completou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.