ONU denuncia estupros e covas coletivas no Burundi

A violência se agravou no Burundi desde que o presidente Pierre Nkurunziza decidiu concorrer ao terceiro mandato e venceu

Genebra - A Organização das Nações Unidas (ONU) documentou casos de estupros realizados por grupos de forças de segurança durante buscas em casas de oposicionistas e ouviu testemunhos de covas coletivas, disse nesta sexta-feira o chefe da área de direitos humanos da ONU, Zeid Ra'ad Al Hussein.

A violência se agravou no Burundi desde que o presidente Pierre Nkurunziza decidiu concorrer ao terceiro mandato -- um movimento considerado ilegal por opositores -- e venceu uma eleição acirrada em julho.

Ao menos 439 pessoas foram mortas e outras 200.000 deixaram o país.

“Os ataques de 11 de dezembro contra três campos militares e violações aos direitos humanos em larga escala... parecem ter deflagrado padrões de violações novos e extremamente perturbadores”, disse Zeid em comunicado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.