Mundo

Obama ataca Romney por oposição a resgate a Detroit

Mitt Romney não apoiou o resgate feito pelo presidente à indústria automobilística norte-americana em 2009, quando a General Motors e a Chrysler foram salvas da falência


	Barack Obama e Mitt Romney em segundo debate presidencial nos EUA: "Romney não tem um plano com cinco pontos. Ele tem um plano com apenas um ponto", disse Obama
 (Getty Images / Scott Olson)

Barack Obama e Mitt Romney em segundo debate presidencial nos EUA: "Romney não tem um plano com cinco pontos. Ele tem um plano com apenas um ponto", disse Obama (Getty Images / Scott Olson)

DR

Da Redação

Publicado em 18 de julho de 2013 às 23h51.

São Paulo - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, atacou a oposição do candidato republicano, Mitt Romney, ao resgate feito pelo presidente à indústria automobilística norte-americana em 2009, quando a General Motors e a Chrysler foram salvas da falência por bilhões de dólares do governo norte-americano. Obama acusou Romney de fechar fábricas quando foi governador de Massachusetts, ao contestar a resposta do republicano à primeira pergunta feita no debate presidencial na noite de hoje na Universidade Hofstra, em Nova York.

"Romney não tem um plano com cinco pontos. Ele tem um plano com apenas um ponto", disse Obama. "Nós levamos quatro anos para sair dessa confusão". Obama lembrou que Romney foi contra o resgate à General Motors e à Chrysler em 2009. Ele também lembrou que Romney fechou fábricas que usavam energias consideradas obsoletas, como termelétricas a carvão. "Quando você foi governador de Massachusetts, se uma fábrica era movida a carvão, você dizia: 'vamos fechá-la'", disse Obama.

"Não é verdade", afirmou Romney. "Eu vou lutar pelo petróleo, gás e carvão. Eu vou lutar para criar energia nesse país", rebateu Romney. O republicano disse defender a exploração de petróleo no Alasca, inclusive offshore (na costa marítima).

Acompanhe tudo sobre:Barack ObamaDetroitEleições americanasMitt RomneyPersonalidadesPolíticos

Mais de Mundo

Milei se reunirá com Macron em viagem à França para abertura dos Jogos Olímpicos

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Mais na Exame