Novo vazamento detectado no gasoduto Nord Stream no Mar Báltico

É o 4° vazamento do gasoduto que liga a Rússia à Alemanha; fonte da Guarda Costeira afirma que há 2 vazamentos do lado sueco e 2 do lado dinamarquês
Vazamento do Nord Stream 1: novo vazamento detectado no gasoduto no Mar Báltico (Danish Defence/Anadolu Agency via Getty Images/Getty Images)
Vazamento do Nord Stream 1: novo vazamento detectado no gasoduto no Mar Báltico (Danish Defence/Anadolu Agency via Getty Images/Getty Images)
A
AFPPublicado em 29/09/2022 às 07:01.

Um quarto vazamento foi detectado nos gasodutos Nord Stream que ligam a Rússia à Alemanha através do Mar Báltico e que podem ter sido alvos de sabotagem, informou a Guarda Costeira da Suécia.

"Há dois vazamentos do lado sueco e dois vazamentos do lado dinamarquês", afirmou à AFP uma fonte da Guarda Costeira, antes de destacar que os dois vazamentos na Suécia estão "próximos um do outro".

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Até o momento, as autoridades dos dois países escandinavos haviam mencionado três vazamentos, dois na Dinamarca e um na Suécia.

Detectados após duas supostas explosões na segunda-feira, os vazamentos acontecem em águas internacionais perto da ilha dinamarquesa de Bornholm, mas dentro das zonas econômicas exclusivas dos dois países.

A Guarda Costeira sueca não explicou o motivo da detecção tardia do novo vazamento. Mas os dois vazamentos em sua região estão localizados no mesmo setor, informou.

Também não confirmou as informações da imprensa sueca de que o novo vazamento acontece no gasoduto Nord Stream 2.

Até o momento, a Suécia havia informado um vazamento no Nord Stream 1. A Dinamarca localizou vazamentos em cada gasoduto.

Os vazamentos estão provocando bolhas de vários metros de comprimento na superfície do mar que impossibilitam a inspeção imediata das tubulações, segundo as autoridades.

Ao suspeitar de uma suposta sabotagem dos gasodutos, a Rússia contra-atacou na quarta-feira e acusou os Estados Unidos que, por sua vez, denunciam uma operação de "desinformação".

LEIA TAMBÉM: O inverno está chegando na Europa, e a crise energética também