Mundo

'Ninguém sabe quantos reféns israelenses estão vivos', diz porta-voz do Hamas

Negociações esfriaram desde quarta-feira quando o grupo islâmico apresentou "emendas" ao plano

Crianças palestinas observam campos de refugiados em Rafah (AFP/AFP)

Crianças palestinas observam campos de refugiados em Rafah (AFP/AFP)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 14 de junho de 2024 às 11h06.

O destino dos 120 reféns israelenses em Gaza é crucial para qualquer acordo que vise pôr fim ao conflito entre Israel e o Hamas. Mas um alto funcionário do Hamas disse à CNN que “ninguém tem ideia” de quantos deles estão vivos e que qualquer acordo para libertá-los deve incluir garantias de um cessar-fogo permanente e da retirada completa das forças israelitas de Gaza.

Numa entrevista à CNN, o porta-voz do Hamas e membro do gabinete político do grupo, Osama Hamdan, falou que a última proposta de cessar-fogo não atendeu às demandas do grupo para o fim da guerra. EUA e aliados pressionam Israel e Hamas a aceitarem o acordo, costurado no Conselho de Segurança da ONU.

Hamdan, que fez parte da equipe de negociações do Hamas, disse à CNN que o grupo precisava de “uma posição clara de Israel para aceitar o cessar-fogo, uma retirada completa de Gaza" e deixar que os palestinos determinem o seu futuro por si e que levantem o cerco imposto à Faixa de Gaza. "[Somente depois disso] estamos prontos para falar sobre um acordo justo sobre a troca de prisioneiros.”

As negociações sobre a proposta apoiada pelos EUA intensificaram-se nos últimos dias, mas pareceram ter esfriado na quarta-feira depois que o Hamas apresentou sua resposta ao documento, 12 dias depois de o ter recebido pela primeira vez.

O secretário de Estado, Anthony Blinken, expressou frustração com o que disse ser a decisão do Hamas de apresentar “numerosas mudanças”, descrevendo algumas delas como indo “além das posições que (o Hamas) havia assumido anteriormente”.

“Algumas das mudanças são viáveis. Outras não são”, disse Blinken em entrevista coletiva em Doha na quarta-feira.

O plano de cessar-fogo apoiado pelos EUA e aprovado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas na segunda-feira estabelece uma abordagem por fases. Na primeira, haveria um cessar-fogo de seis semanas, durante o qual alguns reféns seriam trocados por prisioneiros palestinos e os militares israelitas retirariam-se das áreas povoadas de Gaza. A segunda fase – o fim permanente da guerra e a retirada total de Israel de Gaza – só seria implementada após novas negociações entre os dois lados.

Mas Hamdan disse à CNN que a duração do cessar-fogo era uma questão fundamental para o Hamas, que está preocupado com o fato de Israel não ter intenção de prosseguir com a segunda fase do acordo. "O fim das hostilidades deve ser permanente", disse ele, e "Israel deve retirar-se completamente de Gaza".

Acompanhe tudo sobre:HamasFaixa de GazaIsrael

Mais de Mundo

Kamala Harris será candidata? Veja as 3 questões que vão definir isso

Eleições Venezuela: cinco pontos importantes para entender o contexto econômico e político do país

Eleições da Venezuela acontecem no domingo, em meio a ameaças e esperança de mudança

Eleições Venezuela: Quem é Edmundo González, principal candidato da oposição contra Nicolás Maduro

Mais na Exame