Não existe "risco zero" em relaxamento de restrições de viagens, diz OMS

Onda de infecções novas em muitas partes do mundo induziu algumas nações a readotar algumas restrições de viagem, incluindo exames para passageiros

Não existe uma estratégia de "risco zero" para os países relaxarem as restrições de viagens internacionais durante a pandemia de Covid-19, e as viagens essenciais para emergências deveriam continuar sendo a prioridade, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em uma atualização muito aguardada de sua diretriz de viagens, a agência de saúde global das Nações Unidas disse que as travessias de fronteiras para emergências, trabalho humanitário, transferência de pessoal essencial e repatriação constituiriam viagens essenciais.

"Não existe 'risco zero' quando se considera a importação ou exportação em potencial de casos no contexto das viagens internacionais", disse a entidade na diretriz atualizada publicada em seu site.

Uma onda de infecções novas em muitas partes do mundo induziu algumas nações a readotar algumas restrições de viagem, incluindo exames e quarentenas para passageiros de chegada.

Em junho, a OMS disse que atualizaria suas diretrizes de viagem antes das férias de verão do hemisfério norte.

A diretriz da OMS pode ser usada por governos e indústrias como auxiliar na formulação de políticas, mas não é obrigatória.

A diretriz de viagem atualizada mudou pouco em relação a orientações anteriores, que também incluíram conselhos para o controle de infecções aplicáveis a outras situações, como praticar distanciamento social, usar máscaras, lavar as mãos e evitar tocar o rosto.

A OMS exortou todos os países a realizarem suas próprias análises de risco-benefício antes de suspenderem qualquer uma ou todas suas restrições de viagens. As autoridades deveriam levar em conta os padrões locais de epidemiologia e transmissão, disse, além de medidas de saúde nacional e de distanciamento social já em vigor.

Nações que escolherem submeter todos os passageiros de chegada a quarentenas deveriam fazê-lo depois de avaliar os riscos e considerar as circunstâncias locais, disse a OMS.

"Os países deveriam planejar continuamente e avaliar suas capacidades emergenciais para examinar, rastrear, isolar e administrar casos importados e quarentenas de contatos."

Nesta semana, a OMS disse que as restrições de viagens internacionais não podem vigorar por tempo indeterminado e que os países terão que fazer mais para diminuir a disseminação do novo coronavírus dentro de suas fronteiras.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.