A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Merkel quer crescimento europeu, mas sem programas de estímulo

Para chanceler alemã, "o crescimento sustentátvel é baseado mais em educação e pesquisa, e na força inovadora de pequenas e médias empresas."

Berlim - A chanceler alemã Angela Merkel é contra programas de estímulo econômicos para ampliar o crescimento na Europa, mas está aberta à ideia de fortalecimento do Banco de Investimento Europeu (EIB), disse ela em entrevista ao jornal Hamburger Abendblatt que sairá na quarta-feira.

Na entrevista, Merkel disse não acreditar que o crescimento só pode ser impulsionado com custosas medidas de estímulo do governo.

"É importante nos afastarmos da ideia de que sempre custa dinheiro conseguir crescimento econômico", disse Merkel, de acordo com trechos da entrevista divulgados antecipadamente.

"O crescimento sustentátvel é baseado mais em educação e pesquisa, e na força inovadora de pequenas e médias empresas."

A Alemanha, que acabou com os problemas em sua economia em 2008/09 com um programa recorde de estímulo de 81 bilhões de euros, vem liderando os pedidos para os governos da zona do euro concentrem as políticas econômicas em medidas de austeridade, uma vez que a atual crise da região piorou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também