Mundo

Magnatas da moda prometem US$ 339 mi para reconstruir Notre Dame

François-Henri Pinault e Bernard Arnault são executivos das marcas Gucci e Louis Vitton; reconstrução de Notre-Dame pode levar cinco anos

Bernard Arnault, principal acionista da Louis Vuitton, doará recursos para a reconstrução. Arnault é a terceira pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna de US$ 90,4 bilhões (Christophe Morin/Bloomberg)

Bernard Arnault, principal acionista da Louis Vuitton, doará recursos para a reconstrução. Arnault é a terceira pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna de US$ 90,4 bilhões (Christophe Morin/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de abril de 2019 às 17h40.

Última atualização em 17 de abril de 2019 às 11h28.

Magnatas franceses do setor de luxo prometeram 300 milhões de euros (US$ 339 milhões) para ajudar a reconstruir a catedral de Notre-Dame, em Paris, que foi devastada por um incêndio na segunda-feira, 15. Os empresários atenderam a um pedido do presidente da França, Emmanuel Macron, que lançou uma campanha para levantar fundos.

François-Henri Pinault, presidente do conselho e diretor-presidente da Kering, que controla a grife Gucci, e seu pai, Francois Pinault, farão uma doação de 100 milhões de euros por meio de sua empresa de investimentos Artemis, informou a família nesta terça-feira em comunicado enviado por e-mail. Sua arquirrival, a família Arnault, respondeu minutos depois prometendo uma doação de 200 milhões de euros e recursos arquitetônicos e de design de seu conglomerado de moda LVMH.

"Esta tragédia atinge todo o povo francês e, além disso, todos aqueles ligados a valores espirituais", disse François-Henri Pinault, de 56 anos, em comunicado. "Diante desta tragédia, todos desejam trazer essa joia de nossa herança de volta à vida o mais rápido possível."

Macron prometeu reconstruir Notre-Dame, localizada no centro de Paris, depois que um incêndio atingiu o monumento gótico de 850 anos. Ele pediu doações para reconstruir a catedral e disse que buscaria os melhores talentos do mundo para a tarefa.

François Pinault, de 82 anos, é a 23ª pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna estimada em US$ 37,3 bilhões, segundo o Índice Bloomberg de Bilionários.

O governo regional de Ilha de França vai liberar 10 milhões de euros em recursos de emergência para que a arquidiocese inicie os trabalhos de reconstrução, disse Valerie Pecresse, presidente da região, em entrevista à radio Classique. Pessoas interessadas em fazer doações podem entrar em contato com a Fondation du Patrimoine, uma organização sem fins lucrativos, disse Pecresse.

Bernard Arnault, o principal acionista da LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton, e sua família doarão recursos "dedicados à construção dessa obra arquitetônica que faz parte da história da França". Arnault é a terceira pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna de US$ 90,4 bilhões.

“O Grupo LVMH colocará à disposição do estado todas as suas equipes - criativas, arquitetônicas, financeiras - para ajudar, por um lado, o longo trabalho de reconstrução e, por outro, o esforço de captação de recursos”, disse a família em comunicado.

Acompanhe tudo sobre:Catedral de Notre-Dame de ParisFrançaGucciLouis VuittonParis (França)

Mais de Mundo

Candidato opositor venezuelano lamenta decisão do TSE de suspender missão à Venezuela

Diretor do FBI questiona se Trump foi atingido por bala ou estilhaço

Eleições nos EUA: Trump está à frente de Kamala em 4 estados decisivos, diz pesquisa

Nuvens de fumaça tomam conta de ruas em Londres após incêndio próximo à Catedral de São Paulo

Mais na Exame