Mundo
Acompanhe:

Kim Jong-un afirma que Coreia do Norte terá força nuclear mais poderosa do mundo

Fala foi feita durante o lançamento de seu mais novo míssil balístico intercontinental, que os analistas chamam de "míssil monstro"

Kim Jong-un: desde 2006, o Conselho de Segurança da ONU aprovou várias resoluções impondo sanções contra Pyongyang por sua atividade nuclear e de mísseis. (FP PHOTO/KCNA VIA KNS/AFP)

Kim Jong-un: desde 2006, o Conselho de Segurança da ONU aprovou várias resoluções impondo sanções contra Pyongyang por sua atividade nuclear e de mísseis. (FP PHOTO/KCNA VIA KNS/AFP)

A
AFP

27 de novembro de 2022, 10h49

O líder norte-coreano Kim Jong Un disse que seu país aspira à força nuclear mais poderosa do mundo ao comemorar o lançamento de seu mais novo míssil balístico intercontinental (ICBM), informou a mídia estatal neste domingo (27). 

Kim também promoveu mais de 100 funcionários e cientistas por seu trabalho no Hwasong 17, que os analistas chamam de "míssil monstro" e que acredita-se que possa atingir o território continental dos Estados Unidos, poucos dias depois de seu lançamento em um teste.

Kim saudou o novo ICBM como "a arma estratégica mais poderosa do mundo" e disse que os cientistas norte-coreanos deram "um salto maravilhoso no desenvolvimento tecnológico da montagem de ogivas nucleares em mísseis balísticos", informou a agência de notícias oficial KCNA.

Construir a força nuclear para proteger a dignidade e a soberania do Estado e do povo "é a maior e mais importante causa revolucionária, e seu objetivo é ter a força estratégica mais poderosa, a força absoluta sem precedentes no século", disse Kim na cerimônia.

Os oficiais e cientistas promovidos demonstraram ao mundo o "objetivo de construir o exército mais forte do mundo", acrescentou.

O veículo de lançamento Hwasong 17 foi proclamado "Herói da RPDC (Coreia do Norte)", disse a KCNA em um relatório separado. "Demonstrou claramente ao mundo que a RPDC é uma potência nuclear de pleno direito", segundo a agência.

Hong Min, do Instituto Coreano de Unificação Nacional, comentou que a celebração do lançamento do Hwasong 17 visa elevar a imagem de seu país como uma potência nuclear.

"Se o Hwasong 15 de 2017 se concentrou em se tornar o país que pode ameaçar a pátria dos EUA com armas nucleares, o novo míssil pretende torná-lo o Estado mais poderoso com mísseis balísticos", disse ele.

Desde 2006, o Conselho de Segurança da ONU aprovou várias resoluções impondo sanções contra Pyongyang por sua atividade nuclear e de mísseis.

Durante uma sessão de fotos no sábado com autoridades e cientistas envolvidos no lançamento do míssil, Kim pediu "reforço ilimitado da força defensiva", disse a KCNA.

Kim exortou cientistas e trabalhadores a "expandir e fortalecer o elemento nuclear de dissuasão a uma velocidade excepcionalmente rápida".

O jornal oficial Rodong Sinmun publicou várias fotos de Kim com sua "amada filha", que apareceu pela primeira vez em fotos públicas durante o lançamento do ICBM na semana passada. Até então, a imprensa estatal nunca havia mencionado os filhos de Kim. Na verdade, a publicação da semana foi a primeira confirmação oficial de que ele tem uma filha, segundo especialistas.

As imagens mostram uma garota que se acredita ser a segunda filha de Kim, Ju Ae, vestida com um casaco de pele preto no braço de seu pai enquanto passa pelo míssil gigante.