Irã rompe acordo de 2015 e começa a exceder reservas de urânio

Sem acordo com a União Europeia para a amortização de sanções, o país passará a desobedecer os limites de um tratado nuclear de 2015

O sinal vermelho para um desentendimento nuclear entre o Irã e os Estados Unidos já está aceso há algum tempo, mas nesta quinta-feira, 27, a crise que envolve o enriquecimento de urânio da república Islâmica deve ganhar um novo agravante.

Termina hoje o prazo que o Irã deu a países europeus para que amortizassem sanções que vêm massacrando sua economia, especialmente seu principal braço, o petróleo. Como represália, o Irã passará a exceder o limite de reservas de urânio acordado em um tratado de 2015, colocando ainda mais tensão em um cenário de desacordos diplomáticos.

O novo capítulo desta quinta-feira é só mais um na série de desentendimentos que o Irã vem travando com os EUA. Nas últimas semanas, os dois países trocaram farpas e ameaças quase que diariamente, o que também resultou em mais sanções por parte de Donald Trump. 

Firmado em 2015, o acordo nuclear que o Irã passará a desobedecer parcialmente a partir de hoje é fruto de negociações entre o então chefe de estado dos EUA, Barack Obama, e o atual presidente do estado iraniano, Hassan Rouhani. Além dos dois países, o pacto, conhecido como Plano de Ação Conjunto Abrangente, conta com a participação de França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. 

Nos termos do acordo, o Irã não pode manter uma reserva maior de até 300 quilos de urânio enriquecido, o que é vistoriado periodicamente por inspetores da Organização das Nações Unidas. Em troca, o país se viu livre, em 2015, de diversas sanções por parte dos EUA e seus aliados, o que permitiu, inclusive, investimentos bilionários de empresas como a Boeing e Airbus. 

O Urânio enriquecido pode ser usado, para além da produção de energia, na fabricação de armas nucleares, e é esse o medo dos EUA. Em 2018, Donald Trump retirou os EUA do acordo firmado três anos antes afirmando que ele  não incluía o programa de mísseis balísticos do Irã ou seu envolvimento em conflitos regionais. Desde então, pesadas sanções voltaram a ser colocadas contra o Irã, que viu sua exportação de petróleo ser reduzida a 300 mil barris por dia. O volume representa uma fração dos mais de 2,5 milhões de barris exportados somente em abril de 2018.

Esta quinta-feira mostrará que, até aqui, nenhum dos dois lados está disposto a ceder.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.