Mundo

O Irã vai fabricar armas nucleares? País vai enriquecer urânio a 60%

O anúncio foi feito pouco antes da retomada das conversas em Viena sobre o acordo nuclear de 2015 do Irã com grandes potências

Imagem de satélite da instalação nuclear iraniana de Natanz registrada na semana passada (Maxar Technologies/Divulgação/Reuters)

Imagem de satélite da instalação nuclear iraniana de Natanz registrada na semana passada (Maxar Technologies/Divulgação/Reuters)

FS

Fabiane Stefano

Publicado em 13 de abril de 2021 às 15h26.

Última atualização em 13 de abril de 2021 às 16h07.

O Irã começará a enriquecer urânio a 60%, afirmou nesta terça-feira, 13, o vice-ministro das Relações Exteriores e um dos principais negociadores nucleares do país, Abbas Araqchi. O anúncio ocorre dois dias depois de uma explosão na instalação nuclear de Natanz, uma das mais importantes do país, que o governo iraniano atribuiu a uma sabotagem provocada por Israel.

Mais cedo nesta terça-feira, o ministro das Relações Exteriores Mohammad Javad Zarif afirmou que o ataque à instalação de Natanz foi "uma aposta muito ruim" que fortalecerá a posição do Irã nas conversas de retomada do pacto nuclear de 2015.

O anúncio, que ocorre pouco antes das conversas em Viena para ressuscitar o acordo do Irã com grandes potências, levantou preocupações sobre as futuras negociações para limitar a capacidade de Teerã de produzir uma arma nuclear. Até o momento, o Irã enriquecia urânio com até 20% de pureza. A nova meta de 60% colocaria o país um passo mais próximo de atingir níveis usados em armas nucleares, que exigem o enriquecimento com cerca de 90% de pureza.

Na semana passada, o Irã e potências globais realizaram o que descreveram como conversas "construtivas" para salvar o pacto do qual o ex-presidente norte-americano Donald Trump retirou os Estados Unidos três anos atrás. Assinado pela primeira vez pelos EUA, Irã e países europeus, o pacto visava restringir o programa nuclear do Irã em troca de flexibilização de algumas sanções.

O acordo havia sigo desgastado com as violações dos limites de enriquecimento de urânio pelo Irã em reação a sanções de Trump. Ele estabelecia um teto de pureza de 3,67%. Nos últimos meses, o país elevou o enriquecimento ao nível de pureza de 20%.

Segundo o The Wall Street Journal, a nova decisão do Irã aumenta ainda mais a pressão sobre um possível retorno dos EUA ao acordo nuclear.

O porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã Behrouz Kamalvandi disse à agência de notícias estatal que os preparativos para o programa de enriquecimento avançado começarão ainda nesta terça na instalação em Natanz. Oficiais não deram uma previsão de quanto tempo demorará até que se consiga atingir a meta anunciada.

O chefe da agência de energia atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, afirmou que centrífugas mais sofisticadas substituiriam em breve as destruídas no ataque e que os sistemas de energia elétrica seriam rapidamente restaurados nos próximos dias.

Acompanhe tudo sobre:Armas nuclearesEstados Unidos (EUA)UrânioUsinas nucleares

Mais de Mundo

'Mal posso esperar para o 2º debate contra Biden', diz estrategista de Trump

Participantes do comício de Trump avistaram atirador quase 2 minutos antes dos disparos

Ônibus cai em penhasco e deixa ao menos 21 mortos no Peru

Netanyahu promete aumentar pressão sobre o Hamas após bombardeios contra norte, sul e centro de Gaza

Mais na Exame