Hollande diminui vantagem sobre Sarkozy em semana decisiva

Ainda assim, Hollande mantém um avanço de pelo menos seis pontos nesse final de campanha

Paris - O candidato socialista à Presidência francesa, François Hollande, começa nesta segunda-feira a semana decisiva para as presidenciais com vantagem nas pesquisas sobre seu rival, Nicolas Sarkozy, embora a margem tenha reduzido.

Ainda assim, Hollande mantém um avanço de pelo menos seis pontos nesse final de campanha. Até a ida as urnas pelo segundo turno, em 6 de maio, o candidato possui duas cartas na manga: as manifestações de 1º de maio e o debate televisivo da próxima quarta-feira.

Por outro lado, em nenhum momento da campanha Sarkozy superou o seu oponente em intenções de voto e agora só lhe resta uma semana para reverter a situação. O presidente em fim de mandato aposta que o debate da próxima quarta-feira concentre mais de 20 milhões de franceses diante de seus televisores, um dos últimos cartuchos do candidato conservador.

Embora no passado o debate tenha mudado um pouco a distribuição de votos entre os candidatos, Sarkozy confia em seus dotes de orador. Além disso, consciente que o tempo corre contra si, o candidato conservador não desperdiça uma ocasião para repetir suas mensagens.

Enquanto Hollande aproveitou esta segunda para preparar o debate, Sarkozy manteve sua agenda normal, com um comício em Avignon. O presidente em fim de mandato, inclusive, participará da tradicional festa do trabalho com reunião dos sindicatos, muito críticos a sua gestão.

Temeroso que a jornada se transforme em uma celebração anti-sarkozista, o candidato convocou uma grande manifestação frente à Torre Eiffel, onde pretende concentrar mais de 50 mil simpatizantes. ''O 1º de maio não é patrimônio de ninguém'', afirmou Sarkozy.


Já Hollande preferiu deixar o protagonismo com os sindicatos e passará o dia fora de Paris, em um ato de homenagem ao ex-primeiro-ministro socialista Pierre Bérégovoy, que se suicidou em 1º de maio de 1993.

Paris ainda terá outro ponto decisivo com a festa de Joana d''Arc realizada pelo partido de extrema direita Frente Nacional, em comemoração ao nacionalismo francês. Apesar de reunir menos pessoas que a comemoração dos sindicatos, a celebração desperta atenção porque nela a presidente do agrupamento político, Marine Le Pen, revelará o seu voto no pleito. A candidata recebeu respaldo de 6,4 milhões de franceses no primeiro turno, quase 18% do total, sendo a terceira mais votada.

Esses votos são decisivos para as presidenciais, sobretudo para Sarkozy, que necessita recuperá-los para tirar a vantagem de Hollande. No entanto, tudo aponta que Le Pen se limitará a anunciar seu voto em branco.

Por enquanto, segundo uma pesquisa do instituto Ipsos publicado nesta segunda-feira, pouco mais da metade dos eleitores de Le Pen, 54%, afirmam que darão seu apoio a Sarkozy. Essa percentagem é insuficiente para o candidato conservador que, na mais positiva das enquetes, alcança só 47% do eleitorado, contra 53% de Hollande, que conseguiu 14% dos eleitores de Le Pen. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.