Forças Armadas do Egito pedem o fim das manifestações

Junta militar que governa o país considera que os protestos atrapalham a segurança e a economia do país

Cairo - A junta militar que governa no Egito pediu nesta segunda-feira o fim das manifestações registradas no Cairo e outras cidades por considerar que afetam a segurança e a atividade econômica.

O pedido foi feito em um novo comunicado do Conselho Supremo das Forças Armadas divulgado pela rede de televisão pública, o quarto desde a renúncia do presidente Hosni Mubarak, que estava no poder desde 1981.

A mensagem diz que as manifestações estão afetando negativamente a segurança e a produção, prejudicam os interesses dos cidadãos e criam um ambiente "para que gente irresponsável execute ações ilegais".

"Os egípcios honoráveis veem que estes protestos, neste momento, provocam um efeito negativo" em diferentes aspectos, segundo destaca o comunicado.

Desde que Mubarak foi derrubado, vêm ocorrendo manifestações no Egito tanto por motivos políticos como sindicais. Em vários pontos da capital houve protestos nesta segunda-feira de funcionários públicos reivindicando aumentos salariais e outras demandas.

O Conselho Supremo do Exército considera que estas manifestações "prejudicam a segurança do país" e promovem confusões em diferentes organismos e setores do Estado.

A nota também insiste que as ações afetam a economia nacional e os interesses dos cidadãos.

Após enumerar os supostos efeitos negativos dos protestos e insistir no papel fiador do Exército, o conselho militar pediu a todos os cidadãos "que realizem todos os esforços" possíveis para melhorar a situação do país.

Finalmente, ressaltou a necessidade de se criar "o ambiente necessário para administrar os assuntos do país neste momento difícil, para que possa ser entregue a um poder civil legítimo e eleito pelo povo que assuma sua responsabilidade para continuar o caminho democrático e de progresso".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.