FMI estuda reduzir dívida de países afetados pelo ebola

Secretário do Tesouro americano, Jacob Lew, pediu nesta quarta-feira à instituição um alívio de 100 milhões de dólares da dívida a Libéria, Serra Leoa e Guiné

Washington - O FMI informou nesta quinta-feira que estuda reduzir a dívida dos países afetados pelo ebola, como sugeriram os Estados Unidos, e mostrou-se mais alarmado sobre o impacto econômico da epidemia na África.

"Atualmente, está em discussão", disse o porta-voz do Fundo Monetário Internacional (FMI), William Murray, interrogado sobre um possível corte da dívida dos países afetados.

O secretário do Tesouro americano, Jacob Lew, pediu nesta quarta-feira à instituição um alívio de 100 milhões de dólares da dívida aos três países mais afetados pela epidemia - Libéria, Serra Leoa e Guiné - do total de US$ 500 milhões que devem ao organismo.

O porta-voz se negou a dar detalhes e disse que o conselho administrativo do FMI, que representa os 188 países-membros, estará "implicado" na decisão final.

Ele disse, ainda, que o FMI revisará as previsões de crescimento destes três países após ter constatado um "impulso" da epidemia em cidades que até agora não eram tão afetadas.

O Fundo avalia que a epidemia, que já deixou mais de 5.000 mortos, não estará sob controle antes do segundo semestre de 2015, enquanto até agora tinha estabelecido como data possível o primeiro trimestre do ano que vem.

"Consequentemente, as perspectivas para estes países pioraram" desde o fim de setembro, quando o FMI concordou em ampliar o pacote de ajuda global em 130 milhões de dólares, informou Murray.

O FMI avalia que o ebola pode provocar a perda de 11,3% do PIB a Serra Leoa e 5,9% à Libéria (contra uma estimativa anterior de 3,5%) e 3,5% para a Guiné (contra 1,5% na previsão anterior).

"Se a epidemia atual se prolongar e estender para outros países, haverá consequências mais amplas que minem a confiança, os investimentos e as atividades comerciais", advertiu Murray, assegurando que o FMI "vigia de perto" a situação nos países vizinhos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.