Live icon 

Acompanhe ao vivo:  

Apuração das eleições 2022 em tempo real! Veja agora.

Família de Pistorius aceita sentença e pede privacidade

A família do atleta disse que aceita condenação de 5 anos por assassinato de namorada, e pediu privacidade ao sul-africano

	O velocista Oscar Pistorius durante julgamento: atleta já foi levado à prisão
 (REUTERS/Herman Verwey/Pool)
O velocista Oscar Pistorius durante julgamento: atleta já foi levado à prisão (REUTERS/Herman Verwey/Pool)
D
Da RedaçãoPublicado em 21/10/2014 às 10:15.

Pretória - A família de Oscar Pistorius afirmou nesta terça-feira ter aceitado sua condenação a cinco anos de prisão por ter matado a tiros sua namorada, a modelo Reeva Steenkamp, e pediu privacidade para o atleta sul-africano, já levado à prisão.

"Aceitamos a sentença. Oscar aceitará a sentença", disse um porta-voz da família e tio do atleta, Arnold Pistorius, enquanto saía do Tribunal Superior de Pretória.

Além disso, pediu à imprensa que "aceite a decisão judicial" e conceda "dignidade e privacidade" ao atleta.

"Estamos esgotados emocionalmente pelo prolongamento do julgamento durante mais de sete meses e porque o Estado tratou de forçar a acusação de assassinato premeditado", disse.

"Uma das partes que mais me angustiou durante todo o julgamento foi como a verdade se transformou em algo totalmente irrelevante, em uma tentativa de fazer perdurar a acusação de assassinato", revelou.

O tio do corredor mostrou esperança de que Pistorius "começará seu próprio processo de cura", realçando que a família "está preparada para apoiá-lo" durante o cumprimento da pena.

Cerca de duas horas depois que a juíza Thokozile Masipa ter divulgado a sentença, Pistorius foi transferido para a prisão Kgosi Mampuru, em Pretória, em um carro policial.

Antes de entrar em sua cela, ele será submetido a um exame médico, segundo informou a agência de notícias sul-africana "SAPA".

Pistorius, que teve as pernas amputadas quando criança por causa de um problema genético e usa próteses desde então, matou a tiros sua namorada, disparando através da porta fechada de um banheiro de sua casa. O crime ocorreu na madrugada do dia 14 de fevereiro de 2013.

A juíza aceitou a versão do atleta, que afirmou que só atirou porque confundiu Reeve com um intruso, e o condenou por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.