EUA e Rússia pedem moderação da Turquia nos ataques à Síria

Erdogan ameaça uma nova ofensiva nesses territórios desde maio. Mas o ataque de 13 de novembro em Istambul apresenta o risco da aceleraração as operações
Recep Tayyip Erdogan: Presidente turco esteve na cúpula final do G20 em Nusa Dua (AFP/AFP Photo)
Recep Tayyip Erdogan: Presidente turco esteve na cúpula final do G20 em Nusa Dua (AFP/AFP Photo)
A
AFPPublicado em 22/11/2022 às 13:13.

Os Estados Unidos e a Rússia pediram moderação à Turquia nesta terça-feira (22), depois que seu presidente, Recep Tayyip Erdogan, ameaçou lançar uma operação terrestre contra posições de combatentes curdos no norte da Síria. 

Erdogan ameaça uma nova ofensiva nesses territórios desde maio. Mas o ataque de 13 de novembro em Istambul, que deixou seis mortos e 81 feridos e que a Turquia atribui a combatentes curdos do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) e das YPG (Unidades de Proteção Popular), corre o risco de acelerar as operações.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"Sobrevoamos os terroristas por alguns dias com nossa Força Aérea e nossos drones. Se Deus quiser, vamos eliminá-los em breve com nossos soldados, armas e tanques", disse Erdogan em um discurso nesta terça-feira no nordeste do país.

A Força Aérea turca lançou no domingo (20) a chamada "Operação Garra-Espada", uma série de ataques aéreos contra posições do PKK e das YPG no norte do Iraque e na Síria, que deixaram quase 40 mortos em território sírio, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Nesta terça-feira, um novo ataque com drones turcos teve como alvo uma base conjunta na Síria entre as forças curdas e a coalizão internacional antijihadista liderada pelos Estados Unidos. 

A base está localizada 25 quilômetros ao norte da cidade de Hassaka, segundo informou um porta-voz curdo à AFP, e o ataque deixou dois combatentes curdos mortos, afirmaram as forças curdas e o OSDH.

"Respondemos a este ataque feroz que custou a vida de seis pessoas inocentes, incluindo crianças, varrendo organizações terroristas no Iraque e no norte da Síria", declarou Erdogan nesta terça.

"Sabemos quem arma, quem encoraja os terroristas", acrescentou.

O chefe de Estado turco alertou no dia anterior que "não se trata de esta operação se limitar apenas a uma operação aérea" e mencionou "consultas" para decidir sobre "a potência" das suas forças terrestres.

Preocupação em Washington e Moscou

Em Karkamis, cidade turca localizada na fronteira, vários foguetes lançados da Síria mataram um menino e uma jovem professora.

"Faremos aqueles que nos incomodam em nosso território pagar", alertou Erdogan.

As declarações do presidente turco preocupam os Estados Unidos e a Rússia, que pediram moderação.

Ambos os países estão envolvidos na guerra na Síria, que já matou quase meio milhão de pessoas desde 2011.

"Pedimos uma desescalada na Síria para proteger os civis e apoiar o objetivo comum de derrotar o Estado Islâmico", declarou o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, nesta terça-feira.

"Continuamos nos opondo a qualquer ação militar não coordenada no Iraque que viole a soberania" do país, acrescentou em comunicado.

Os Estados Unidos apoiam as YPG, a principal milícia curda da Síria, na luta contra os jihadistas do Estado Islâmico (EI), o que permitiu que recuperassem o controle de Kobane em 2015.

A Rússia espera, por sua vez, que a Turquia mostre "moderação" e se abstenha de "qualquer uso excessivo da força" na Síria.

"Entendemos as preocupações da Turquia sobre sua própria segurança (...) Mas, ao mesmo tempo, pedimos a todas as partes que se abstenham de qualquer iniciativa que possa levar a uma séria desestabilização da situação", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

As Forças Democráticas da Síria (FDS), uma coalizão dominada pelas YPG, indicaram nesta terça-feira que estão concentrando seus esforços na "desescalada".

Entre 2016 e 2019, a Turquia realizou três grandes operações no norte da Síria contra milícias e organizações curdas.

O governo turco afirma que quer criar uma "zona de segurança" de 30 quilômetros de largura ao longo de sua fronteira sul.

LEIA TAMBÉM: