Emirados Árabes Unidos fornecerá gás e diesel para Alemanha

Os Emirados Árabes Unidos fornecerão um carregamento de GNL, com entrega até o final de 2022, o qual será utilizado na operacionalização do terminal flutuante de importação de GNL da Alemanha, em Brunsbuettel
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
A
AFPPublicado em 25/09/2022 às 13:11.

Os Emirados Árabes Unidos assinaram, neste domingo (25), um acordo de "segurança energética" com a Alemanha para o fornecimento de gás natural liquefeito e de diesel, no momento em que Berlim busca novas fontes de energia para substituir o abastecimento russo. 

Acompanhado do chanceler alemão, Olaf Scholz, o ministro da Indústria dos Emirados, sultão Ahmed Al Jaber, referiu-se, durante a assinatura, a um "novo acordo histórico que reforça a crescente parceria energética entre os Emirados Árabes Unidos e a Alemanha", informou a agência de notícias estatal WAM.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Scholz visita os Emirados, onde já se reuniu com o presidente da federação dos Emirados, xeque Mohamed Bin Zayed Al Nahyan.

Segundo a WAM, o chanceler alemão disse "acolher com satisfação o acordo de segurança energética".

Como parte deste pacto, os Emirados Árabes Unidos fornecerão "um carregamento de GNL, com entrega até o final de 2022, o qual será utilizado na operacionalização do terminal flutuante de importação de GNL da Alemanha, em Brunsbuettel", um porto do Mar do Norte, acrescentou o comunicado.

Veja também:

A empresa estatal de petróleo dos Emirados, a ADNOC, completou sua primeira entrega direta de diesel para a Alemanha no início deste mês e “fornecerá até 250.000 toneladas de diesel por mês em 2023”, detalhou a nota.

O chanceler alemão se encontra em viagem pelo Golfo na esperança de selar novos acordos energéticos, de modo a substituir os suprimentos russos e mitigar a crise neste setor, decorrente da invasão da Ucrânia por parte de Moscou.

No sábado (24), Scholz se reuniu, em Jidá, com o príncipe herdeiro saudita, Mohamed Bin Salman. Mais tarde, ainda hoje, deve seguir para o Catar, um país rico em gás, para conversar com o emir catariano, xeque Tamim Bin Hamad Al Thani.