Em Paris, marcha pela liberdade termina em confronto

Protestos têm como foco nova lei, que quer proibir a filmagem de atos policiais

Uma marcha pela liberdade realizada neste sábado (5) em Paris resultou em incidentes. As manifestações denunciam a violência policial, especialmente após dois casos polêmicos no final de novembro: o espancamento brutal de um produtor negro, pelo qual três policiais foram acusados, e a evacuação de um acampamento de migrantes no centro de Paris.

A vida está mais complexa, a rotina mais intensa, mas a EXAME Academy pode ajudar a manter a mente em foco

Na passeata deste sábado em Paris, vários carros foram incendiados e as vitrines de lojas foram quebradas. Além disso, projéteis foram disparados contra as forças de segurança, que responderam disparando gás lacrimogêneo.

De acordo com o Ministério do Interior, 22 pessoas foram presas e barricadas foram queimadas. "Todo mundo odeia a polícia", "anti, anti, anti-capitalista", gritaram alguns participantes.

Inicialmente prevista como uma manifestação sindical contra a precariedade do trabalho, esta mobilização se juntou ao protesto contra a violência policial e a lei de segurança global, que há várias semanas mobiliza defensores das liberdades por proibir a filmagem de atos policiais. 

Os detratores da lei a consideram um golpe liberdade de imprensa, liberdade de expressão e liberdade de manifestação", e estabelecerá "instrumentos de vigilância em massa".

Acusado de multiplicar medidas "liberticidas", Emmanuel Macron quis se dirigir diretamente aos jovens, em entrevista ao portal online Brut na sexta-feira.

"Não posso permitir que digam que estamos reduzindo as liberdades na França", disse ele. "É uma grande mentira. Não somos a Hungria nem a Turquia", insistiu.

Macron também explicou que deseja abordar a questão dos controles discriminatórios e prometeu lançar uma plataforma nacional em janeiro para denunciar a discriminação. Ao mesmo tempo, prevê generalizar as câmeras para agentes.

Além desta marcha, pelo menos uma centena de outras estão programadas em toda a França, tendo como lema a defesa dos direitos sociais e das liberdades.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.