Deslizamento de terra deixa 61 mortos na Colômbia

37 pessoas ficaram feridas

Salgar - Um deslizamento de terra deixou 61 mortos e 37 feridos no município colombiano de Salgar, Antioquia, onde autoridades e socorristas realizam trabalhos de busca e resgate de desaparecidos e ajuda aos afetados.

"O último boletim traz 61 mortos", disse à AFP Richard Vargas, subdiretor da Unidade Nacional para a Gestão do Risco de Desastres (UNGRD), que chefia os trabalhos de busca, suspensos até o alvorecer desta terça-feira.

O deslizamento de pedras, troncos e barro, ocorrido por volta das três da madrugada, aconteceu após as fortes chuvas que atingiram a região nas últimas horas, que provocaram uma cheia em barrancos na parte alta do município, de topografia montanhosa.

As autoridades, que em seu boletim inicial tinha reportado 30 famílias afetadas e 31 casas danificadas, temem que o número de mortos aumente, pois a região, declarada zona de calamidade pública, está inundada e coberta de barro e escombros.

"Ninguém vai trazer os mortos de volta, isto é algo que lamentamos profundamente, acompanhamos as famílias. Mas temos que sair deste desastre e olhar para frente com coragem e fortaleza", disse o presidente Juan Manuel Santos, em declarações em Salgar, onde se reuniu com autoridades locais depois de sobrevoar a região.

O presidente anunciou o pagamento de uma indenização de 16 milhões de pesos (US$ 7 mil) a cada família afetada e prometeu obras de mitigação de risco para evitar catástrofes similares no futuro.

"Há várias crianças que ficaram sem os pais, que ficaram sozinhas. O ICBF (Instituto Colombiano de Bem-estar Familiar) já chegou para ajudar estas crianças", destacou.

Salgar, um município de 400 km2 cercado por múltiplos cursos de água, está localizado 100 km a sudoeste de Medellin. A população total do município chega a 17.600 pessoas, segundo os últimos dados oficiais disponíveis.

A área afetada, onde eram vistos vizinhos retirando com pás o barro no interior de suas casas e recuperando os poucos pertences que se salvaram, assim como escavadeiras removendo a lama, está com os serviços de abastecimento de água potável, energia e gás interrompidos após a catástrofe.

Segundo a UNGRD, 166 socorristas estão trabalhando no local.

Foram enviados socorristas, cães treinados, kits de ajuda humanitária e água potável, informou à AFP Ana Carolina Gutiérrez, porta-voz da Cruz Vermelha, que abriu uma operação de colega de alimentos e cobertores de Medellin.

Terra arrasada

Segundo autoridades locais, a enxurrada surpreendeu os vizinhos dormindo e devastou o povoado, especialmente na periferia.

"Trouxe abaixo tudo o que quis", contou à rádio RCN a prefeita do município de Salgar, Olga Osorio.

O povoado de La Margarita, atravessado pela La Laboriana, praticamente "ficou apagado do mapa", acrescentou.

La Margarita, um dos quatro povoados de Salgar, ficou isolado após os graves danos sofridos na via de acesso e em uma ponte, devido ao transbordamento das águas, informaram meios de comunicação locais.

O ex-presidente Alvaro Uribe (2002-2010), atual senador e líder político com forte popularidade no país, viajou para Salgar.

"Encontrei uma senhora com um bebê de três dias, seu neto. Os pais da criança estão desaparecidos (...) É muito doloroso o que temos visto", declarou à RCN o ex-presidente, que nasceu em Medellin, capital de Antioquia, mas foi criado em um sítio desta região.

Mensagens de apoio e solidariedade se sucederam no Twitter, onde a hashtag #FuerzaSalgar virou "trending topic" no país.

As enxurradas e os deslizamentos, provocados por fortes chuvas, são comuns na Colômbia, vulnerável a desastres naturais devido à sua localização e geografia.

Em 2010-2011, o país sofreu uma temporada chuvosa acentuada pelo fenômeno La Niña, que provocou inundações, avalanches e remoções maciças.

Segundo cifras oficiais, a catástrofe, que afetou o norte e parte do centro e do sul do país, deixou 1.374 mortos, 2.350.024 afetados, 109.760 casas destruídas e 458.022 casas avariadas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.