• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Covid-19: China quer produzir mais de 1 bilhão de doses de vacina em 2021

"Estamos vendo que são vacinas seguras e que não produzem sérias reações adversas", afirmou o ministro chinês da Ciência e Tecnologia
 (Reuters/China Daily)
(Reuters/China Daily)
Por Fabiane StefanoPublicado em 26/09/2020 08:15 | Última atualização em 25/09/2020 20:11Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O programa chinês de vacinas contra a covid-19 está "na liderança" e o governo de Pequim espera chegar até o final do ano com uma capacidade de produção anual de mais de 610 milhões de doses, informaram as autoridades em coletiva de imprensa na sexta-feira (25). No decorrer de 2021, o país espera produzir ao menos 1 bilhão de doses.

Aproximadamente 11 vacinas chinesas estão sendo testadas clinicamente, com quatro delas na fase três e em fase de progresso, afirmou Wu Yuanbin, do Ministério da Ciência e Tecnologia. "A pesquisa na China sobre uma vacina covid-19 está na liderança" afirmou Wu. "Estamos vendo que são vacinas seguras e que não produzem sérias reações adversas".

Uma dessas vacinas chinesas é a Coronavac, da Sinovac, cuja importação de 46 milhões de doses até dezembro já foi garantida pelo governo estadual de São Paulo, na expectativa de que a vacina funcione. Cerca de 9 mil profissionais da saúde foram voluntários na terceira fase de testes no Brasil, e os resultados devem ser conhecidos em outubro.

Na China, centenas de milhares de trabalhadores em setores essenciais de portos, hospitais e outras atividades de alto risco recebem uma vacina experimental desde julho, segundo as autoridades, que afirmam que o programa tem o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS).

"A segurança da vacina (experimental) foi comprovada, mas sua eficácia não está totalmente certificada", destacou Zheng Zhongwei, da Comissão Nacional de Saúde.