Coreias definem reaproximação olímpica

ÀS SETE - Após a reunião, ficou confirmado que uma grande delegação norte-coreana vai cruzar a fronteira para participar dos jogos

Coreia do Sul e Coreia do Norte se reúnem nesta terça-feira na pequena vila de Panmunjom, que fica na zona desmilitarizada entre os dois países, no primeiro encontro entre os dois países desde dezembro de 2015.

O diálogo foi combinado depois de o presidente norte-coreano, Kim Jon-un, começar o ano buscando uma aproximação, pedindo para participar dos Jogos Olímpicos de Inverno, que acontecem do lado sul-coreano, em fevereiro.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Nas conversas da manhã, já encerradas, ficou confirmado que uma grande delegação norte-coreana vai, sim, cruzar a fronteira para participar dos jogos, com atletas, jornalistas, visitantes e animadores de torcida. Os sul-coreanos propuseram até um encontro das duas coreias no desfile de abertura e em outras cerimônias.

Além dos jogos, os dois países vão discutir as relações bilaterais, praticamente inexistentes hoje, especialmente porque os norte-coreanos passaram os últimos meses focados em desenvolver e testar mísseis e ogivas nucleares — colocando a segurança especialmente dos vizinhos sul-coreanos em risco. Essas conversas acontecem neste momento, na sessão vespertina do encontro, focada em questões militares.

Desde as sanções econômicas impostas pelo Conselho de Segurança da ONU em setembro, e com intensa pressão americana, o isolamento da Coreia do Norte aumentou.

A análise mais corrente é que a Coreia do Norte estaria buscando estratégias para negociar com a Coreia do Sul uma redução das sanções e para tentar afastar o país dos Estados Unidos.

A China, a principal adversária comercial dos americanos, se reuniu com lideranças da Coreia do Sul na última semana, demonstrando interesse numa aproximação das duas Coreias.

No início deste ano, Kim Jon-un trocou ameaças com o presidente americano Donald Trump, com ambos afirmando que poderiam lançar bombas nucleares no território alheio com um simples apertar de botão.

Nesta segunda-feira, a União Europeia decidiu estender ainda mais as sanções ao país, tendo adicionado uma série de pessoas a uma lista de possível congelamento de ativos e restrições de viagens a países membros do bloco.

A aproximação pode até vir nos Jogos de Inverno, mas, para além do snowboard, do esqui e do curling, a Coreia do Norte continua um dos países mais isolados, e ameaçadores, do planeta.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.