Mundo

Co-fundador da Netflix pede que Biden deixe eleição presidencial

Reed Hastings, importante doador democrata, sugere que Biden abra espaço para um novo líder na próxima eleição.

Pedidos de saída de Biden como candidato democrata têm crescido na última semana. (Mandel Ngan/AFP)

Pedidos de saída de Biden como candidato democrata têm crescido na última semana. (Mandel Ngan/AFP)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 4 de julho de 2024 às 06h45.

Última atualização em 4 de julho de 2024 às 06h59.

Reed Hastings, co-fundador da Netflix e um dos maiores doadores do Partido Democrata nos últimos anos, pediu nesta quarta-feira, 3, que o presidente Joe Biden renuncie à sua posição no topo da chapa presidencial democrata. Hastings tornou-se um dos primeiros a expressar publicamente o que muitos mega doadores democratas vêm discutindo em privado. As informações são do The New York Times.

Apesar de Biden e funcionários da Casa Branca afirmarem que ele não tem planos de se afastar da disputa na eleição dos Estados Unidos, as declarações públicas de Hastings representam mais uma fissura no apoio que sustenta o presidente. O co-fundador da Netflix e sua esposa, Patty Quillin, tornaram-se, durante a era Trump, um dos casais de doadores mais generosos do Partido Democrata. Juntos, eles doaram mais de US$ 20 milhões (R$ 110 milhões) para apoiar o partido nos últimos anos, incluindo até US$ 1,5 milhão (R$ 8,4 milhões) para apoiar Biden durante a corrida presidencial de 2020, e US$ 100 mil (R$ 556 mil) para apoiar a candidatura de Biden em 2024.

Pesquisa preocupa democratas

A nova pesquisa do The New York Times mostra que Donald Trump lidera Biden por 49% a 43% entre os eleitores, uma mudança de três pontos em direção ao republicano em apenas uma semana. O déficit de seis pontos destaca os desafios crescentes para a campanha e pode dificultar a permanência de Biden.

Alguns líderes em Hollywood, que recentemente homenagearam Biden em um luxuoso evento de arrecadação de fundos, estão começando a expressar publicamente suas preocupações. Na terça-feira (2), o influente agente Ari Emanuel também manifestou suas frustrações.

Envolvimento político

A questão política com a qual Hastings tem sido fortemente associado é a reforma educacional, enquanto Quillin enfatiza a justiça racial. Hastings desenvolveu um relacionamento próximo com o governador da Califórnia, Gavin Newsom, que é uma das figuras discutidas como possível substituto de Biden. Em 2021, Hastings doou US$ 3 milhões (R$ 16,8 milhões) para ajudar Newsom a vencer a eleição de recall que enfrentou.

Hastings ajudou a fundar a Netflix há quase três décadas e atualmente é seu presidente executivo. Em janeiro de 2023, ele deixou o cargo de CEO para poder dedicar mais tempo à filantropia e à política.

Com uma base de doadores democratas se mostrando cada vez mais dividida e vocal, a chamada de Hastings para que Biden abra espaço para uma nova liderança pode sinalizar uma mudança significativa na estratégia política do partido. A preocupação com a capacidade de Biden em enfrentar um potencial retorno de Trump em 2024 está alimentando debates internos intensos e poderá influenciar as decisões eleitorais nos próximos meses.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Eleições americanasNetflixJoe BidenDonald Trump

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame