Chinês é preso em Hong Kong após ciberataque na Áustria

A FACC demitiu seu presidente e diretor financeiro após o ataque, que envolveu emails falsos pedindo que funcionários transferissem dinheiro para falso projeto

Viena - Um cidadão chinês foi preso em Hong Kong por relação com um ciberataque que custou à fabricante de peças aeroespaciais austríaca FACC 42 milhões de euros, disse a polícia austríaca nesta sexta-feira.

A FACC demitiu seu presidente-executivo e o diretor financeiro após o ataque, que envolveu emails falsos pedindo que funcionários transferissem dinheiro para um falso projeto de aquisição- esquema conhecido como incidente do falso presidente.

Entre os clientes da FACC estão Airbus e Boeing.

O homem de 32 anos, signatário autorizado de uma empresa de Hong Kong que recebeu cerca de 4 milhões de euros da FACC, foi preso em 1º de julho por suspeitas de lavagem de dinheiro, disse um porta-voz do Escritório Federal para Crimes da Áustria.

Um porta-voz da FACC disse que a empresa estava trabalhando para recuperar 10 milhões de euros que foram encontrados e congelados em contas de diferentes países. Estes 10 milhões de euros não estão incluídos nos 42 milhões de euros já reservados pelo grupo.

O porta-voz não quis dar detalhes sobre a prisão ou a localização das contas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.