China substitui chefe do escritório de Hong Kong em meio a protestos

O Gabinete, que se reporta ao Conselho de Estado da China, serve como plataforma para Pequim projetar sua influência na cidade

Cingapura — A China substituiu o chefe de seu escritório em Hong Kong, a principal autoridade política do continente baseada no território controlado pela China, após mais de seis meses de protestos antigoverno violentos na cidade.

O Ministério de Recursos Humanos e Seguridade Social da China disse em seu site no sábado que Wang Zhimin, que ocupava o cargo desde 2017, foi substituído por Luo Huining, que até novembro era o principal funcionário do governo comunista da na província de Shanxi, no norte.

A Reuters informou exclusivamente em novembro que Pequim considerava substituir Wang, um sinal de insatisfação com o tratamento da crise, a pior desde que a cidade voltou do domínio britânico para chinês em 1997.

A declaração não deu mais detalhes sobre a mudança.

O Gabinete, que se reporta ao Conselho de Estado da China, serve como plataforma para Pequim projetar sua influência na cidade, e foi criticado em Hong Kong e na China continental por julgar mal a situação na cidade.

Wang é o diretor de escritório desde 1997.

Protestos em massa eclodiram em junho em Hong Kong devido a um projeto de extradição que permitiria que indivíduos fossem enviados para julgamento no continente, onde a justiça é controlada pelo Partido Comunista.

Embora o projeto tenha sido retirado, os protestos continuaram com uma ampla percepção de que Pequim está se intrometendo indevidamente nos assuntos da cidade e nas queixas de brutalidade policial.

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, disse em comunicado que o gabinete continuará sob a liderança de Luo para trabalhar com o governo de Hong Kong no “desenvolvimento positivo” da relação entre o continente e Hong Kong.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.