China reduzirá emissões das usinas de carvão em 60% até 2020

Pequim pretende diminuir o consumo de carvão, um dos maiores poluentes, para menos de 65% de sua demanda energética

Pequim - A China modernizará suas usinas de carvão para que reduzam em 60% as emissões de poluentes antes de 2020, uma medida que, segundo o governo, diminuirá em 180 milhões de toneladas por ano a quantidade de dióxido de carvão lançada na atmosfera.

O Conselho de Estado da China se comprometeu hoje a realizar essa mudança e afirmou pretende fechar até 2020 todas as usinas que não cumpram com esse padrão de "economia de energia" no país.

Pequim pretende diminuir o consumo de carvão, um dos maiores poluentes, para menos de 65% de sua demanda energética até 2017.

Dados do Escritório Nacional de Estatísticas da China de 2013, os últimos disponíveis, mostram que o carvão corresponde a 66%, o petróleo a 18,4% e o gás natural a 5,8%.

A China aumentou em 17% o consumo anual de carvão desde 2000, lançando mais dióxido de carbono à atmosfera do valor calculado anteriormente - quase 1 bilhão de toneladas a mais por ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.