China recorre a aliado para fortalecer laços diplomáticos com EUA

O executivo Maurice "Hank" Greenberg é a aposta da potência ara fortalecer a comunicação diplomática entre os dois países
Xi Jinping (E) e Joe Biden: Líderes mundiais se reuniram na semana passada (AFP/AFP)
Xi Jinping (E) e Joe Biden: Líderes mundiais se reuniram na semana passada (AFP/AFP)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 21/11/2022 às 15:41.

A China está recorrendo a um antigo aliado, o executivo Maurice "Hank" Greenberg, para fortalecer a comunicação diplomática entre os dois países, enquanto o presidente Xi Jinping tenta estabilizar a relação bilateral para melhorar a competição entre as duas potências.

Segundo fontes internas, alguns dias antes do encontro entre Xi e o presidente Biden na semana passada, Pequim despachou uma delegação de conselheiros políticos seniores e executivos de negócios a Nova York para se reunir com um grupo homólogo dos EUA criado por Greenberg, um dos empresários norte-americanos de maior sucesso na China.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

A delegação chinesa indicou que pode ser desejável para Pequim trabalhar ao lado de Washington em questões geopolíticas envolvendo a invasão russa da Ucrânia e sobre a Coreia do Norte, de acordo com os participantes.

Mas os delegados chineses pareciam condicionar a cooperação desde que sejam respeitados os principais interesses da China, como Taiwan e a diminuição de restrições às vendas de alta tecnologia para empresas chinesas.

O Instituto de Relações Exteriores do Povo Chinês, o think tank afiliado ao Ministério das Relações Exteriores, foi responsável por organizar o grupo de representantes chineses, formado por Cui Tiankai, ex-enviado principal de Pequim a Washington, Chen Deming, ex-ministro do Comércio, e Ning Jizhe, ex-vice-ministro da principal agência de planejamento econômico da China.

Entre os norte-americanos, segundo as fontes, estão Maurice Greenberg, Paul Fribourg, CEO do agronegócio ContiGroup Cos., o ex-senador Joe Lieberman e dois ex-embaixadores dos EUA em Pequim: Max Baucus, ex-senador democrata por Montana, e Terry Branstad, ex-governador republicano de Iowa.

O grupo americano foi fundado por Greenberg após a contínua escalada na tensão entre Washington e Pequim, com o objetivo de ajudar a "restabelecer um diálogo bilateral construtivo".

Considerado um "velho amigo" por líderes chineses, Maurice "Hank" Greenberg, 97 anos, é chefe executivo da empresa de seguros e investimentos C.V. Starr & Co. e ex-CEO da gigante dos seguros American International Group Co., além de ser veterano condecorado da Segunda Guerra Mundial e um dos principais doadores do partido Republicano.

LEIA TAMBÉM: