Mundo

China pretende fechar empresas ilegais em 3 meses

Pequim - As autoridades trabalhistas da China pretendem investigar e fechar nos três próximos meses as empresas que operam de forma ilegal, anunciou a Administração Estatal de Segurança no Trabalho, citada nesta quinta-feira (29) pela agência oficial de notícias "Xinhua". As empresas que operam de forma ilegal trabalham sem permissões, com licenças sem validade, com […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de julho de 2010 às 10h19.

Pequim - As autoridades trabalhistas da China pretendem investigar e fechar nos três próximos meses as empresas que operam de forma ilegal, anunciou a Administração Estatal de Segurança no Trabalho, citada nesta quinta-feira (29) pela agência oficial de notícias "Xinhua".

As empresas que operam de forma ilegal trabalham sem permissões, com licenças sem validade, com capacitações insuficientes ou por que não cumprem os protocolos de segurança no processo de produção.

A campanha do Governo chinês para pôr fim a este tipo de situações começa no próximo dia 1º de agosto, e será aplicada nos setores de mineração, transporte e construção, nas fábricas produtoras de produtos químicos e fogos de artifício e nas plantas de fundição.

Os acidentes de trabalho diminuíram neste ano, mas as operações ilegais continuam entre as principais responsáveis pelos incidentes, já que 55% dos problemas da categoria "relativamente grandes" são provocados por este tipo de práticas.

A categoria em questão faz referência aos acidentes onde morrem pelo menos três pessoas, dez ou mais ficam gravemente feridas e as perdas econômicas chegam a 10 milhões de iuanes (US$ 1,48 milhões).

No total, 33.876 pessoas morreram em acidentes de trabalho no primeiro semestre do ano na China, país que lidera o ranking mundial de vítimas deste tipo de acidentes.

Segundo dados da Administração Estatal de Segurança Laboral, o dado é inferior ao do mesmo período do ano passado, com 4.174 mortes a menos.

A maioria destes acidentes acontece nos setores de transporte e mineração.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaChinaJustiçaLegislaçãoLeis trabalhistas

Mais de Mundo

Esquerda francesa enfrenta impasse para nomear primeiro-ministro; entenda

Brasil observa eleição na Venezuela com ‘preocupação e confiança’, diz Amorim

Eleições EUA: Doadores democratas reterão US$ 90 milhões enquanto Biden permanecer na disputa

Com ocupação de 99%, Reino Unido liberará milhares de detidos para abrir espaço nas prisões

Mais na Exame