China eleva novamente depósito compulsório de bancos

Medida faz parte dos esforços do governo para conter a inflação

Pequim - A China elevou no domingo o depósito compulsório dos bancos pela quarta vez neste ano, intensificando a luta contra a liquidez excessiva e a inflação alta na segunda maior economia do mundo.

O aumento do compulsório, que veio após a elevação da taxa básica de juros em 5 de abril, foi o sétimo desde que a China ampliou os esforços para conter a inflação, em outubro, destacando a determinação do governo para estabilizar a economia.

A medida não foi uma surpresa -- investidores previam mais aperto monetário após dados mostrarem, na semana passada, uma inflação acelerada e entradas contínuas de capital estrangeiro que ameaçam manter a pressão de preços elevada.

O banco central chinês subiu a taxa de juros quatro vezes desde outubro, criou medidas de controles de preços em certas commodities e aumentou a vigilância sobre a especulação imobiliária.

O acréscimo de 0,5 ponto percentual, que vale a partir de 21 de abril, eleva a taxa de depósito compulsório bancário para o recorde de 20,5 por cento. A medida vai segurar 350 bilhões de iuans em capital que os bancos poderiam emprestar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.