China é vulnerável ao ebola, diz descobridor do vírus

O professor belga Peter Piot, um dos descobridores do ebola, destacou preocupação em relação à China, que possui grande comunidade na África Ocidental

Tóquio - O professor belga Peter Piot, um dos descobridores do vírus ebola em 1976, destacou nesta quinta-feira sua preocupação em relação à China, que possui uma grande comunidade na África Ocidental.

No entanto, ele afirmou acreditar que a intensidade da epidemia pode começar a diminuir a partir do Natal.

"Milhares e milhares de chineses vivem e trabalham na África. É uma situação muito diferente em relação às epidemias anteriores. Não é impossível que trabalhadores infectados voltem para a China", explicou Piot durante um seminário médico organizado em Tóquio.

"Nos hospitais públicos da China, pelo menos todos que visitei, o nível de controle de infecções é muito baixo", alertou ainda, destacando que, no entanto, a situação neste sentido melhorou muito desde a epidemia de Sars (síndrome respiratória aguda severa).

O professor Piot, que dirige em Londres uma escola de medicina tropical, reiterou suas críticas contra a Organização Mundial da Saúde (OMS), denunciando a lentidão com que reagiu no surgimento da epidemia, que já matou 4.922 pessoas entre os mais de 10.141 casos registrados até 23 de outubro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.