Chile se prepara para 2021 agitado com eleições e nova constituição

Em abril, o país deve escolher os representantes de uma Assembleia Constituinte e em novembro haverá eleições presidenciais

Investidores no Chile se preparam para um ano tumultuado com duas eleições e a redação de uma nova Constituição, processos que testarão a reputação do país como o mercado mais estável e favorável aos negócios da América Latina.

Em abril, os cidadãos devem escolher os representantes de uma Assembleia Constituinte para redigir a nova Carta Magna, antes de retornar às urnas em novembro para as eleições presidenciais e parlamentares. E, com a rejeição aos partidos tradicionais em alta após meses de violenta agitação social, investidores têm pouca ideia do que acontecerá nas votações.

Muitos investidores creditam a Constituição atual por sustentar mais de três décadas de rápido crescimento, disciplina fiscal e lucros corporativos crescentes que deram ao Chile a maior classificação de crédito soberano da América Latina. Para a esquerda, a Assembleia Constituinte é uma oportunidade para derrubar o legado do capitalismo desenfreado de Augusto Pinochet e as profundas desigualdades que consagra. Enquanto isso, investidores prendem a respiração.

“Parece que o Chile vai enfraquecer suas regras fiscais lendárias e tão imitadas”, disse Michael Roche, estrategista da Seaport Global Holdings, de Nova York, que recomenda a venda da dívida do governo chileno em favor de títulos soberanos do Uruguai. “É provável que estejam embarcando em algo susceptível de perturbar este modelo a ponto de poder ser anulado.”

Os chilenos votaram por uma maioria de quase 80% para reescrever a Constituição em um referendo em outubro, demonstrando a intensidade do sentimento em um país devastado pela agitação social há mais de um ano. Essa explosão de descontentamento paralisou grande parte do país, derrubando o peso e provocando uma rara intervenção do banco central.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.