Chefe do governo de Caracas e importante aliado de Maduro morre de covid

Darío Vivas, de 70 anos, testou positivo no final de julho; a vice-presidente do país lamentou morte do político

O chefe do governo de Caracas, Darío Vivas, morreu nesta quinta-feira, 13, aos 70 anos, quase um mês após ser diagnosticado com covid-19, informaram funcionários do governo da Venezuela.

"Morreu em combate (...), cuidando da saúde e da vida de todos nós nesta dura batalha contra a pandemia", declarou a vice-presidente Delcy Rodríguez, em meio a diversas mensagens de porta-vozes do governo de Nicolás Maduro sobre o falecimento de Vivas, que havia confirmado ter dado positivo para covid-19 em 19 de julho.

"Que tristeza, meu companheiro. Um abraço de pesar e dor para sua família, amigos, companheiros", disse Diosdado Cabello, número 2 do governante Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e presidente da Assembleia Constituinte que rege o país, que na prática tomou as atribuições do Parlamento, único poder controlado pela oposição na Venezuela.

Vários altos funcionários do governo anunciaram nas últimas semanas terem dado positivo para o novo coronavírus, entre eles o próprio Cabello, assim como Jorge Rodríguez, ministro de Comunicação e Informação, e Tareck El Aissami, ministro do Petróleo.

Cabello e El Aissami garantiram ter superado a doença.

Vivas é o primeiro funcionário próximo do governo de Maduro a falecer de coronavírus, cuja propagação vem acelerando na Venezuela.

De acordo com dados oficiais, questionados pela oposição e por organizações de direitos humanos, que os consideram subvalorizados, a Venezuela, de 30 milhões de habitantes, acumulava até a quarta-feira 29.088 contaminações confirmadas e 247 óbitos por covid-19.

Contudo, a Venezuela superou na terça-feira os 1.000 novos casos diários pela primeira vez e atingiu novamente a marca na quarta.

O governo chavista declarou quarentena desde meados de março. O confinamento alterna períodos de "radicalização", que obrigam o fechamento de negócios (com exceção de supermercados, farmácias e outros comércios considerados essenciais), e períodos de "flexibilização", que permitem a reativação do restante dos setores.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também