Cemig anuncia construção de usina solar em Minas

Obras devem começar em janeiro e a conclusão está prevista para abril de 2012, e contará com investimento de R$ 40 milhões

São Paulo – A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) construirá uma usina solar fotovoltaica de três megawatts, em Sete Lagoas. A estrutura deverá fornecer energia a aproximadamente mil residências na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG).

A Prefeitura de Sete Lagoas cedeu um terreno de oito hectares para a construção. A usina terá três unidades, com duas de 2,5 MW e 0,45 MW e a terceira servirá de centro de pesquisa. As obras devem começar em janeiro e a conclusão está prevista para abril de 2012. O projeto contará com investimento de R$ 40 milhões.

O gerente de Alternativas Energéticas da Cemig, Marco Aurélio Dumont Porto, destacou o pioneirismo do empreendimento no estado de Minas Gerais. “Essa será a primeira instalação de energia solar fotovoltaica conectada à rede de distribuição no estado e a segunda, no Brasil, a produzir energia solar em caráter comercial.”

Segundo o gerente, a cidade de Sete Lagoas foi escolhida por ser próxima a Belo Horizonte e do Aeroporto de Confins. Além disso, apresenta um índice de radiação satisfatório e concentra ações do projeto Cidades do Futuro, pelo qual a Cemig está fazendo testes de automação das redes de distribuição e modernização do sistema elétrico, através da tecnologia smart grid, que é a rede de energia inteligente.

De acordo com a Cemig, o objetivo do projeto é tornar a geração de energia solar uma prática viável, que beneficie a companhia, o setor elétrico do país e a sociedade em geral. A própria empresa acompanhará o desempenho da usina e sua relação com o sistema de distribuição.

O projeto será implantado em parceria com a espanhola Solaria, fabricante de painéis fotovoltaicos, a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). “A Usina Experimental de Geração Solar Fotovoltaica é uma demonstração do empenho da Cemig em desenvolver tecnologias que prezem pela utilização de energia limpa”, reforça Marco Aurélio.