A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Celac tentará reunir presidentes da Colômbia e Venezuela

O presidente do Equador disse que o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, esteve ontem na Colômbia e hoje está na Venezuela com esse objetivo

Quito - O presidente do Equador, Rafael Correa, afirmou nesta terça-feira que a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) realiza novas gestões para conseguir uma reunião entre os presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos, e da Venezuela, Nicolás Maduro, para solucionar o conflito na fronteira entre os dois países.

Em um encontro com correspondentes de imprensa internacionais, Correa disse que o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño, esteve ontem na Colômbia e hoje está na Venezuela com esse objetivo, mas não deu mais detalhes sobre estas visitas.

"Estamos trabalhando para essa reunião direta entre Juan Manuel Santos e Nicolás Maduro", assinalou o presidente ao expressar sua preocupação pelo conflito, e destacou se tratar de um problema bilateral, por isso as ações se realizam com "respeito à soberania dos dois países, mas que nos afeta como região", acrescentou.

Por essa razão, explicou, se envolveram nas negociações os chanceleres do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, e do Equador, Ricardo Patiño, como representantes dos países que ocupam a presidência rotativa da União de Nações Sul-americanas (Unasul) e da Celac, respectivamente.

As chanceleres da Colômbia, María Ángela Holguín, e da Venezuela, Delcy Rodríguez, se reuniram no sábado em Quito para tentar aproximar posições antes desta eventual reunião dos presidentes.

A crise começou em 19 de agosto quando o presidente da Venezuela ordenou o fechamento de um trecho da fronteira comum sob o argumento de combater o contrabando e supostos paramilitares.

Posteriormente, Maduro decretou estado de exceção em 13 cidades e fechou um novo trecho entre o departamento colombiano de La Guajira e o estado venezuelano de Zulia.

Mais de 21 mil colombianos foram expulsos ou deixaram a Venezuela desde o início desta crise, mostrou um relatório do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA). 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também